The Unreal Universe

O Unreal Universo

Sabemos que o nosso universo é um pouco irreal. As estrelas que vemos no céu à noite, por exemplo, não estão realmente lá. Eles podem ter movido ou mesmo morreu no momento em que começa a vê-los. Leva tempo a luz viajar das estrelas e galáxias distantes para chegar até nós. Sabemos desse atraso. O sol que vemos agora já é de oito minutos de idade no momento em que vê-lo, que não é um grande negócio. Se queremos saber o que está acontecendo para o sol agora, tudo o que temos a fazer é esperar por oito minutos. Não obstante, nós temos que “correto” para o atraso na nossa percepção, devido à velocidade finita da luz antes que possamos confiar no que vemos.

Agora, esse efeito levanta uma questão interessante — o que é o “reais” coisa que vemos? Se ver para crer, as coisas que vemos deve ser a coisa real. Então, novamente, sabemos do efeito o tempo de viagem de luz. Assim, devemos corrigir o que vemos diante de acreditar. O que então “vendo” significa? Quando dizemos que vemos algo, o que realmente significa?

Seeing envolve luz, obviamente. É o finito (embora muito alta) Velocidade de influências de luz e distorce a nossa forma de ver as coisas, como o atraso em ver objetos como estrelas. O que é surpreendente (e raramente destaque) é que, quando se trata de ver objetos em movimento, não podemos voltar a calcular da mesma forma que tirar o atraso em ver o sol. Se vemos um corpo celeste se movendo a uma improvável alta velocidade, não podemos descobrir o quão rápido e em que direção é “realmente” movimento sem outros pressupostos. Uma maneira de lidar com esta dificuldade é atribuir as distorções em nossa percepção das propriedades fundamentais da arena da física — espaço e tempo. Outra linha de ação é aceitar a desconexão entre a nossa percepção ea subjacente “realidade” e lidar com ele de alguma forma.

Essa desconexão entre o que vemos eo que está lá fora, não é desconhecido para muitas escolas filosóficas de pensamento. Phenomenalism, por exemplo, considera que o espaço eo tempo não são realidades objetivas. Eles são apenas o meio de nossa percepção. Todos os fenômenos que acontecem no espaço e tempo são apenas feixes de nossa percepção. Em outras palavras, o espaço eo tempo são construções cognitivas decorrentes da percepção. Assim, todas as propriedades físicas que nós atribuímos ao espaço e ao tempo só pode aplicar-se à realidade fenomênica (a realidade como nós a senti-lo). A realidade numênico (que detém as causas físicas da nossa percepção), por contraste, permanece fora do nosso alcance cognitivo.

Uma, quase acidental, dificuldade em redefinir os efeitos da velocidade finita da luz, como as propriedades do espaço e do tempo é que qualquer efeito que nós entendemos fica instantaneamente relegados ao reino das ilusões ópticas. Por exemplo, o atraso de oito minutos em ver o sol, porque podemos facilmente compreender e dissociá-la da nossa percepção usando aritmética simples, é considerada uma mera ilusão de ótica. Contudo, as distorções em nossa percepção de objetos em movimento rápido, embora originário da mesma fonte são considerados uma propriedade do espaço e do tempo, porque eles são mais complexos. Em algum ponto, temos que entrar em acordo com o fato de que, quando se trata de ver o universo, não existe tal coisa como uma ilusão de ótica, que é provavelmente o que Goethe apontou quando ele disse, “Ilusão de ótica é a verdade óptica.”

More about The Unreal UniverseA distinção (ou a falta dela) entre ilusão de ótica e verdade é um dos mais antigos debates da filosofia. Afinal, trata-se da distinção entre conhecimento e realidade. Conhecimento é considerada a nossa visão sobre algo que, na realidade, é “realmente o caso.” Em outras palavras, conhecimento é um reflexo, ou uma imagem mental de algo externo. Nesta foto, a realidade externa passa por um processo de tornar-se o nosso conhecimento, que inclui percepção, atividades cognitivas, eo exercício da razão pura. Esta é a imagem que a física passou a aceitar. Apesar de reconhecer que a nossa percepção pode ser imperfeita, física assume que podemos chegar mais perto e mais perto da realidade externa através da experimentação cada vez mais fina, e, mais importante, através de uma melhor teorização. As Teorias Especial e Geral da Relatividade, são exemplos de aplicações brilhantes desta visão da realidade em que os princípios físicos simples são implacavelmente perseguido usar a máquina formidável da razão pura de suas conclusões logicamente inevitáveis.

Mas há um outro, vista divergentes sobre o conhecimento ea realidade que já existe há muito tempo. Esta é a visão que considera a realidade percebida como uma representação cognitiva interna de nossas entradas sensoriais. Neste ponto de vista, conhecimento e da realidade percebida são os dois constructos cognitivos internos, embora tenhamos chegado a pensar neles como algo separado. O que é externo não é a realidade como nós a percebemos, mas uma entidade desconhecida dando origem às causas físicas por trás entradas sensoriais. Nesta escola do pensamento, nós construímos a nossa realidade em dois, muitas vezes se sobrepõem, passos. A primeira etapa consiste no processo de detecção, e a segunda é a de raciocínio cognitivo e lógico. Podemos aplicar esta visão da realidade e do conhecimento para a ciência, mas de modo tal, temos que adivinhar a natureza da realidade absoluta, irreconhecível, uma vez que é.

As ramificações dessas duas posições filosóficas diferentes descritos acima são tremendas. Desde a física moderna adotou uma visão não-fenomênica do espaço e do tempo, se encontra em desacordo com o ramo da filosofia. O abismo entre a filosofia ea física cresceu a tal ponto que o prêmio Nobel de física, Steven Weinberg, perguntou (em seu livro “Sonhos de uma teoria final”) por que a contribuição da filosofia para a física foram tão surpreendentemente pequeno. Ele também solicita filósofos para fazer declarações como, “Realidade numênico se 'faz realidade fenomênica’ ou se "realidade numênico é independente do nosso senti-lo’ ou se "sentimos realidade numênico,’ o problema é que o conceito de realidade numênico é um conceito totalmente redundante para a análise da ciência.”

Do ponto de vista da neurociência cognitiva, tudo o que vemos, sentido, sente e pensa é o resultado das interconexões neuronais em nosso cérebro e os minúsculos sinais elétricos neles. Esta visão deve estar certo. O que mais existe? Todos os nossos pensamentos e preocupações, conhecimentos e crenças, ego ea realidade, vida e morte — tudo é disparos meramente neuronais no um e meio quilogramas de pegajosos, material de cinza que chamamos de nosso cérebro. Não há mais nada. Nada!

De fato, essa visão da realidade em neurociência é um eco exato do phenomenalism, que considera tudo o que um pacote de percepção ou mentais construções. O espaço eo tempo também são construtos cognitivos em nosso cérebro, como tudo o mais. Eles são imagens mentais nossos cérebros inventar fora das entradas sensoriais que nossos sentidos recebem. Gerado a partir de nossa percepção sensorial e fabricado pelo nosso processo cognitivo, o continuum espaço-tempo é a arena da física. De todos os nossos sentidos, visão é de longe a dominante. A entrada sensorial de vista é luz. Em um espaço criado pelo cérebro para fora da luz que incide sobre nossas retinas (ou na fotografia sensores do telescópio Hubble), é uma surpresa que nada pode viajar mais rápido do que a luz?

Esta posição filosófica é a base do meu livro, O Unreal Universo, que explora as linhas comuns física e filosofia de ligação. Tais reflexões filosóficas normalmente obter uma má reputação de nós físicos. Para os físicos, filosofia é um campo totalmente diferente, outro silo de conhecimento, que não possui nenhuma relevância para seus empreendimentos. Precisamos mudar essa crença e apreciar a sobreposição entre diferentes silos de conhecimento. É nesta sobreposição que podemos esperar encontrar grandes avanços no pensamento humano.

A reviravolta nessa história de luz e realidade é que parece ter conhecido tudo isso por um longo tempo. Escolas filosóficas clássicas parecem ter pensado em moldes muito semelhantes aos raciocínios de Einstein. O papel da luz na criação de nossa realidade ou universo é o cerne do pensamento religioso ocidental. Um universo desprovido de luz não é simplesmente um mundo onde você apagou as luzes. Na verdade, é um universo desprovido de si, um universo que não existe. É neste contexto que temos de entender a sabedoria por trás da afirmação de que “a terra era sem forma, e sem efeito” até que Deus fez a luz para ser, dizendo “Haja luz.”

O Alcorão também diz, “Deus é a luz dos céus e da terra,” que se reflete em um dos antigos escritos hindus: “Guia-me da escuridão para a luz, guia-me do irreal para o real.” O papel da luz nos levar a partir do vazio irreal (o nada) para uma realidade foi de facto compreendido por um longo, há muito tempo. É possível que os antigos santos e profetas sabia coisas que só agora estamos começando a descobrir com todos os nossos supostos avanços no conhecimento?

Eu sei que pode estar correndo para lugares onde anjos temem pisar, para reinterpretar as Escrituras é um jogo perigoso. Tais interpretações alienígenas raramente são bem-vindos nos círculos teológicos. Mas eu busco refúgio no fato de que eu estou procurando concordância nas concepções metafísicas de filosofias espirituais, sem diminuir o seu valor mística e teológica.

Os paralelos entre a distinção numênico-fenomenal em fenomenalismo eo Brahman-Maya distinção em Advaita são difíceis de ignorar. Esta sabedoria testada pelo tempo sobre a natureza da realidade a partir do repertório de espiritualidade está sendo reinventada em neurociência moderna, que trata a realidade como uma representação cognitiva criada pelo cérebro. O cérebro usa as entradas sensoriais, memória, consciência, e até mesmo a linguagem como ingredientes em inventar nosso senso de realidade. Esta visão da realidade, no entanto, é algo que a física ainda está para vir aos termos com. Mas na medida em que sua arena (espaço e tempo) é uma parte da realidade, física não é imune a filosofia.

À medida que empurrar os limites de nosso conhecimento mais e mais, estamos começando a descobrir interligações até então insuspeitas e muitas vezes surpreendentes entre os diferentes ramos de esforços humanos. Em última análise, como podem os diversos domínios de nosso conhecimento ser independentes um do outro quando todo o nosso conhecimento reside em nosso cérebro? O conhecimento é uma representação cognitiva de nossas experiências. Mas, então,, assim é realidade; é uma representação cognitiva dos nossos inputs sensoriais. É uma falácia pensar que o conhecimento é a nossa representação interna de uma realidade externa, e, portanto, distinta. Conhecimento e realidade são dois constructos cognitivos internos, embora tenhamos chegado a pensar neles como algo separado.

Reconhecer e fazer uso das interconexões entre os diferentes domínios da atividade humana pode ser o catalisador para o próximo grande avanço em nossa sabedoria coletiva que temos estado à espera de.

Comentários

2 thoughts on “The Unreal Universe

  1. Pingback: O Unreal Universo | Best Philosophy Books
  2. Uau. I admire the effort it must have taken to type that out. Sir, you have changed my way of thinking in exact accordance with a cosmic jiggle I am only barely able to grasp.

Os comentários estão fechados.