Tag Archives: relatividade

Debates and Discussions on http://www.anti-relativity.com/forum.
(My writings only.)

What Does it Feel Like to be a Bat?

It is a sensible question: What does it feel like to be a bat? Although we can never really know the answer (because we can never be bats), we know that there is an answer. It feels like something to be a bat. Bem, at least we think it does. We think bats have consciência and conscious feelings. Por outro lado, it is not a sensible question to ask what it feels like to be brick or a table. It doesn’t feel like anything to be an inanimate object.

Continue lendo

Bye Bye Einstein

Starting from his miraculous year of 1905, Einstein has dominated physics with his astonishing insights on space and time, and on mass and gravity. Verdadeiro, there have been other physicists who, with their own brilliance, have shaped and moved modern physics in directions that even Einstein couldn’t have foreseen; and I don’t mean to trivialize neither their intellectual achievements nor our giant leaps in physics and technology. But all of modern physics, even the bizarre reality of quantum mechanics, which Einstein himself couldn’t quite come to terms with, is built on his insights. It is on his shoulders that those who came after him stood for over a century now.

One of the brighter ones among those who came after Einstein cautioned us to guard against our blind faith in the infallibility of old masters. Taking my cue from that insight, I, for one, think that Einstein’s century is behind us now. Eu sei, coming from a non-practicing physicist, who sold his soul to the finance industry, this declaration sounds crazy. Delusional even. But I do have my reasons to see Einstein’s ideas go.

[animation]Let’s start with this picture of a dot flying along a straight line (on the ceiling, so to speak). You are standing at the centre of the line in the bottom (on the floor, que é). If the dot was moving faster than light, how would you see it? Bem, you wouldn’t see anything at all until the first ray of light from the dot reaches you. As the animation shows, the first ray will reach you when the dot is somewhere almost directly above you. The next rays you would see actually come from two different points in the line of flight of the dot — one before the first point, and one after. Assim, the way you would see it is, incredible as it may seem to you at first, as one dot appearing out of nowhere and then splitting and moving rather symmetrically away from that point. (It is just that the dot is flying so fast that by the time you get to see it, it is already gone past you, and the rays from both behind and ahead reach you at the same instant in time.Hope that statement makes it clearer, rather than more confusing.).

[animation]Why did I start with this animation of how the illusion of a symmetric object can happen? Bem, we see a lot of active symmetric structures in the universe. Por exemplo, look at this picture of Cygnus A. There is a “core” from which seem to emanate “features” that float away to the “lobes.” Doesn’t it look remarkably similar to what we would see based on the animation above? There are other examples in which some feature points or knots seem to move away from the core where they first appear at. We could come up with a clever model based on superluminality and how it would create illusionary symmetric objects in the heavens. We could, but nobody would believe us — because of Einstein. I know this — I tried to get my old physicist friends to consider this model. The response is always some variant of this, “Interesting, but it cannot work. It violates Lorentz invariance, não faz isso?” LV being physics talk for Einstein’s insistence that nothing should go faster than light. Now that neutrinos can violate LV, why not me?

Claro, if it was only a qualitative agreement between symmetric shapes and superluminal celestial objects, my physics friends are right in ignoring me. There is much more. The lobes in Cygnus A, por exemplo, emit radiation in the radio frequency range. De fato, the sky as seen from a radio telescope looks materially different from what we see from an optical telescope. I could show that the spectral evolution of the radiation from this superluminal object fitted nicely with AGNs and another class of astrophysical phenomena, hitherto considered unrelated, called gamma ray bursts. De fato, I managed to publish this model a while ago under the title, “É Rádio Fontes e Gamma Ray Bursts Luminal Booms?“.

Entende, I need superluminality. Einstein being wrong is a pre-requisite of my being right. So it is the most respected scientist ever vs. com os melhores cumprimentos, a blogger of the unreal kind. You do the math. 🙂

Such long odds, no entanto, have never discouraged me, and I always rush in where the wiser angels fear to tread. So let me point out a couple of inconsistencies in SR. The derivation of the theory starts off by pointing out the effects of light travel time in time measurements. And later on in the theory, the distortions due to light travel time effects become part of the properties of space and time. (De fato, light travel time effects will make it impossible to have a superluminal dot on a ceiling, as in my animation above — not even a virtual one, where you take a laser pointer and turn it fast enough that the laser dot on the ceiling would move faster than light. It won’t.) Mas, as the theory is understood and practiced now, the light travel time effects are to be applied on top of the space and time distortions (which were due to the light travel time effects to begin with)! Physicists turn a blind eye to this glaring inconstancy because SR “works” — as I made very clear in my previous post in this series.

Another philosophical problem with the theory is that it is not testable. Eu sei, I alluded to a large body of proof in its favor, but fundamentally, the special theory of relativity makes predictions about a uniformly moving frame of reference in the absence of gravity. There is no such thing. Even if there was, in order to verify the predictions (that a moving clock runs slower as in the twin paradox, por exemplo), you have to have acceleration somewhere in the verification process. Two clocks will have to come back to the same point to compare time. The moment you do that, at least one of the clocks has accelerated, and the proponents of the theory would say, “De, there is no problem here, the symmetry between the clocks is broken because of the acceleration.” People have argued back and forth about such thought experiments for an entire century, so I don’t want to get into it. I just want to point out that theory by itself is untestable, which should also mean that it is unprovable. Now that there is direct experimental evidence against the theory, may be people will take a closer look at these inconsistencies and decide that it is time to say bye-bye to Einstein.

Why not Discard Special Relativity?

Nothing would satisfy my anarchical mind more than to see the Special Theory of Relativity (SR) come tumbling down. De fato, I believe that there are compelling reasons to consider SR inaccurate, if not actually wrong, although the physics community would have none of that. I will list my misgivings vis-a-vis SR and present my case against it as the last post in this series, but in this one, I would like to explore why it is so difficult to toss SR out the window.

The special theory of relativity is an extremely well-tested theory. Despite my personal reservations about it, the body of proof for the validity of SR is really enormous and the theory has stood the test of time — at least so far. But it is the integration of SR into the rest of modern physics that makes it all but impossible to write it off as a failed theory. In experimental high energy physics, por exemplo, we compute the rest mass of a particle as its identifying statistical signature. The way it works is this: in order to discover a heavy particle, you first detect its daughter particles (decay products, que é), measure their energies and momenta, add them up (como “4-vectors”), and compute the invariant mass of the system as the modulus of the aggregate energy-momentum vector. In accordance with SR, the invariant mass is the rest mass of the parent particle. You do this for many thousands of times and make a distribution (uma “histogram”) and detect any statistically significant excess at any mass. Such an excess is the signature of the parent particle at that mass.

Almost every one of the particles in the particle data book that we know and love is detected using some variant of this method. So the whole Standard Model of particle physics is built on SR. De fato, almost all of modern physics (physics of the 20th century) is built on it. On the theory side, in the thirties, Dirac derived a framework to describe electrons. It combined SR and quantum mechanics in an elegant framework and predicted the existence of positrons, which bore out later on. Although considered incomplete because of its lack of sound physical backdrop, este “second quantization” and its subsequent experimental verification can be rightly seen as evidence for the rightness of SR.

Feynman took it further and completed the quantum electrodynamics (QED), which has been the most rigorously tested theory ever. To digress a bit, Feynman was once being shown around at CERN, and the guide (probably a prominent physicist himself) was explaining the experiments, their objectives etc. Then the guide suddenly remembered who he was talking to; afinal, most of the CERN experiments were based on Feynman’s QED. Embarrassed, ele disse, “Claro, Dr. Feynman, you know all this. These are all to verify your predictions.” Feynman quipped, “Porquê, you don’t trust me?!” To get back to my point and reiterate it, the whole edifice of the standard model of particle physics is built on top of SR. Its success alone is enough to make it impossible for modern physics to discard SR.

Assim, if you take away SR, you don’t have the Standard Model and QED, and you don’t know how accelerator experiments and nuclear bombs work. The fact that they do is proof enough for the validity of SR, because the alternative (that we managed to build all these things without really knowing how they work) is just too weird. It’s not just the exotic (nuclear weaponry and CERN experiments), but the mundane that should convince us. Fluorescent lighting, laser pointers, LED, computadores, mobile phones, GPS navigators, iPads — in short, all of modern technology is, in some way, a confirmation of SR.

So the OPERA result on observed superluminalily has to be wrong. But I would like it to be right. And I will explain why in my next post. Why everything we accept as a verification of SR could be a case of mass delusion — almost literally. Fique atento!

What is Unreal Blog?

Tell us a little about why you started your blog, and what keeps you motivated about it.

As my writings started appearing in different magazines and newspapers as regular columns, I wanted to collect them in one place — as an anthology of the internet kind, por assim dizer. That’s how my blog was born. The motivation to continue blogging comes from the memory of how my first book, O Unreal Universo, took shape out of the random notes I started writing on scrap books. I believe the ideas that cross anybody’s mind often get forgotten and lost unless they are written down. A blog is a convenient platform to put them down. E, since the blog is rather public, you take some care and effort to express yourself well.

Do you have any plans for the blog in the future?

I will keep blogging, roughly at the rate of one post a week or so. I don’t have any big plans for the blog per se, but I do have some other Internet ideas that may spring from my blog.

Philosophy is usually seen as a very high concept, intellectual subject. Do you think that it can have a greater impact in the world at large?

This is a question that troubled me for a while. And I wrote a post on it, which may answer it to the best of my ability. To repeat myself a bit, philosophy is merely a description of whatever intellectual pursuits that we indulge in. It is just that we don’t often see it that way. Por exemplo, if you are doing physics, you think that you are quite far removed from philosophy. The philosophical spins that you put on a theory in physics is mostly an afterthought, it is believed. But there are instances where you can actually apply philosophy to solve problems in physics, and come up with new theories. This indeed is the theme of my book, O Unreal Universo. It asks the question, if some object flew by faster than the speed of light, what would it look like? With the recent discovery that solid matter does travel faster than light, I feel vindicated and look forward to further developments in physics.

Do you think many college students are attracted to philosophy? What would make them choose to major in it?

No mundo de hoje, I am afraid philosophy is supremely irrelevant. So it may be difficult to get our youngsters interested in philosophy. I feel that one can hope to improve its relevance by pointing out the interconnections between whatever it is that we do and the intellectual aspects behind it. Would that make them choose to major in it? In a world driven by excesses, it may not be enough. Então, novamente, it is world where articulation is often mistaken for accomplishments. Perhaps philosophy can help you articulate better, sound really cool and impress that girl you have been after — to put it crudely.

More seriously, embora, what I said about the irrelevance of philosophy can be said about, dizer, physics as well, despite the fact that it gives you computers and iPads. Por exemplo, when Copernicus came up with the notion that the earth is revolving around the sun rather than the other way round, profound though this revelation was, in what way did it change our daily life? Do you really have to know this piece of information to live your life? This irrelevance of such profound facts and theories bothered scientists like Richard Feynman.

What kind of advice or recommendations would you give to someone who is interested in philosophy, and who would like to start learning more about it?

I started my path toward philosophy via physics. I think philosophy by itself is too detached from anything else that you cannot really start with it. You have to find your way toward it from whatever your work entails, and then expand from there. Finalmente, that’s how I did it, and that way made it very real. When you ask yourself a question like what is space (so that you can understand what it means to say that space contracts, por exemplo), the answers you get are very relevant. They are not some philosophical gibberish. I think similar paths to relevance exist in all fields. See for example how Pirsig brought out the notion of quality in his work, not as an abstract definition, but as an all-consuming (and eventually dangerous) obsession.

Na minha opinião, philosophy is a wrapper around multiple silos of human endeavor. It helps you see the links among seemingly unrelated fields, such as cognitive neuroscience and special relativity. Of what practical use is this knowledge, I cannot tell you. Então, novamente, of what practical use is life itself?

O Unreal Universo

Sabemos que o nosso universo é um pouco irreal. As estrelas que vemos no céu à noite, por exemplo, não estão realmente lá. Eles podem ter movido ou mesmo morreu no momento em que começa a vê-los. Leva tempo a luz viajar das estrelas e galáxias distantes para chegar até nós. Sabemos desse atraso. O sol que vemos agora já é de oito minutos de idade no momento em que vê-lo, que não é um grande negócio. Se queremos saber o que está acontecendo para o sol agora, tudo o que temos a fazer é esperar por oito minutos. Não obstante, nós temos que “correto” para o atraso na nossa percepção, devido à velocidade finita da luz antes que possamos confiar no que vemos.

Agora, esse efeito levanta uma questão interessante — o que é o “reais” coisa que vemos? Se ver para crer, as coisas que vemos deve ser a coisa real. Então, novamente, sabemos do efeito o tempo de viagem de luz. Assim, devemos corrigir o que vemos diante de acreditar. O que então “vendo” significa? Quando dizemos que vemos algo, o que realmente significa?

Seeing envolve luz, obviamente. É o finito (embora muito alta) Velocidade de influências de luz e distorce a nossa forma de ver as coisas, como o atraso em ver objetos como estrelas. O que é surpreendente (e raramente destaque) é que, quando se trata de ver objetos em movimento, não podemos voltar a calcular da mesma forma que tirar o atraso em ver o sol. Se vemos um corpo celeste se movendo a uma improvável alta velocidade, não podemos descobrir o quão rápido e em que direção é “realmente” movimento sem outros pressupostos. Uma maneira de lidar com esta dificuldade é atribuir as distorções em nossa percepção das propriedades fundamentais da arena da física — espaço e tempo. Outra linha de ação é aceitar a desconexão entre a nossa percepção ea subjacente “realidade” e lidar com ele de alguma forma.

Essa desconexão entre o que vemos eo que está lá fora, não é desconhecido para muitas escolas filosóficas de pensamento. Phenomenalism, por exemplo, considera que o espaço eo tempo não são realidades objetivas. Eles são apenas o meio de nossa percepção. Todos os fenômenos que acontecem no espaço e tempo são apenas feixes de nossa percepção. Em outras palavras, o espaço eo tempo são construções cognitivas decorrentes da percepção. Assim, todas as propriedades físicas que nós atribuímos ao espaço e ao tempo só pode aplicar-se à realidade fenomênica (a realidade como nós a senti-lo). A realidade numênico (que detém as causas físicas da nossa percepção), por contraste, permanece fora do nosso alcance cognitivo.

Uma, quase acidental, dificuldade em redefinir os efeitos da velocidade finita da luz, como as propriedades do espaço e do tempo é que qualquer efeito que nós entendemos fica instantaneamente relegados ao reino das ilusões ópticas. Por exemplo, o atraso de oito minutos em ver o sol, porque podemos facilmente compreender e dissociá-la da nossa percepção usando aritmética simples, é considerada uma mera ilusão de ótica. Contudo, as distorções em nossa percepção de objetos em movimento rápido, embora originário da mesma fonte são considerados uma propriedade do espaço e do tempo, porque eles são mais complexos. Em algum ponto, temos que entrar em acordo com o fato de que, quando se trata de ver o universo, não existe tal coisa como uma ilusão de ótica, que é provavelmente o que Goethe apontou quando ele disse, “Ilusão de ótica é a verdade óptica.”

More about The Unreal UniverseA distinção (ou a falta dela) entre ilusão de ótica e verdade é um dos mais antigos debates da filosofia. Afinal, trata-se da distinção entre conhecimento e realidade. Conhecimento é considerada a nossa visão sobre algo que, na realidade, é “realmente o caso.” Em outras palavras, conhecimento é um reflexo, ou uma imagem mental de algo externo. Nesta foto, a realidade externa passa por um processo de tornar-se o nosso conhecimento, que inclui percepção, atividades cognitivas, eo exercício da razão pura. Esta é a imagem que a física passou a aceitar. Apesar de reconhecer que a nossa percepção pode ser imperfeita, física assume que podemos chegar mais perto e mais perto da realidade externa através da experimentação cada vez mais fina, e, mais importante, através de uma melhor teorização. As Teorias Especial e Geral da Relatividade, são exemplos de aplicações brilhantes desta visão da realidade em que os princípios físicos simples são implacavelmente perseguido usar a máquina formidável da razão pura de suas conclusões logicamente inevitáveis.

Mas há um outro, vista divergentes sobre o conhecimento ea realidade que já existe há muito tempo. Esta é a visão que considera a realidade percebida como uma representação cognitiva interna de nossas entradas sensoriais. Neste ponto de vista, conhecimento e da realidade percebida são os dois constructos cognitivos internos, embora tenhamos chegado a pensar neles como algo separado. O que é externo não é a realidade como nós a percebemos, mas uma entidade desconhecida dando origem às causas físicas por trás entradas sensoriais. Nesta escola do pensamento, nós construímos a nossa realidade em dois, muitas vezes se sobrepõem, passos. A primeira etapa consiste no processo de detecção, e a segunda é a de raciocínio cognitivo e lógico. Podemos aplicar esta visão da realidade e do conhecimento para a ciência, mas de modo tal, temos que adivinhar a natureza da realidade absoluta, irreconhecível, uma vez que é.

As ramificações dessas duas posições filosóficas diferentes descritos acima são tremendas. Desde a física moderna adotou uma visão não-fenomênica do espaço e do tempo, se encontra em desacordo com o ramo da filosofia. O abismo entre a filosofia ea física cresceu a tal ponto que o prêmio Nobel de física, Steven Weinberg, perguntou (em seu livro “Sonhos de uma teoria final”) por que a contribuição da filosofia para a física foram tão surpreendentemente pequeno. Ele também solicita filósofos para fazer declarações como, “Realidade numênico se 'faz realidade fenomênica’ ou se "realidade numênico é independente do nosso senti-lo’ ou se "sentimos realidade numênico,’ o problema é que o conceito de realidade numênico é um conceito totalmente redundante para a análise da ciência.”

Do ponto de vista da neurociência cognitiva, tudo o que vemos, sentido, sente e pensa é o resultado das interconexões neuronais em nosso cérebro e os minúsculos sinais elétricos neles. Esta visão deve estar certo. O que mais existe? Todos os nossos pensamentos e preocupações, conhecimentos e crenças, ego ea realidade, vida e morte — tudo é disparos meramente neuronais no um e meio quilogramas de pegajosos, material de cinza que chamamos de nosso cérebro. Não há mais nada. Nada!

De fato, essa visão da realidade em neurociência é um eco exato do phenomenalism, que considera tudo o que um pacote de percepção ou mentais construções. O espaço eo tempo também são construtos cognitivos em nosso cérebro, como tudo o mais. Eles são imagens mentais nossos cérebros inventar fora das entradas sensoriais que nossos sentidos recebem. Gerado a partir de nossa percepção sensorial e fabricado pelo nosso processo cognitivo, o continuum espaço-tempo é a arena da física. De todos os nossos sentidos, visão é de longe a dominante. A entrada sensorial de vista é luz. Em um espaço criado pelo cérebro para fora da luz que incide sobre nossas retinas (ou na fotografia sensores do telescópio Hubble), é uma surpresa que nada pode viajar mais rápido do que a luz?

Esta posição filosófica é a base do meu livro, O Unreal Universo, que explora as linhas comuns física e filosofia de ligação. Tais reflexões filosóficas normalmente obter uma má reputação de nós físicos. Para os físicos, filosofia é um campo totalmente diferente, outro silo de conhecimento, que não possui nenhuma relevância para seus empreendimentos. Precisamos mudar essa crença e apreciar a sobreposição entre diferentes silos de conhecimento. É nesta sobreposição que podemos esperar encontrar grandes avanços no pensamento humano.

A reviravolta nessa história de luz e realidade é que parece ter conhecido tudo isso por um longo tempo. Escolas filosóficas clássicas parecem ter pensado em moldes muito semelhantes aos raciocínios de Einstein. O papel da luz na criação de nossa realidade ou universo é o cerne do pensamento religioso ocidental. Um universo desprovido de luz não é simplesmente um mundo onde você apagou as luzes. Na verdade, é um universo desprovido de si, um universo que não existe. É neste contexto que temos de entender a sabedoria por trás da afirmação de que “a terra era sem forma, e sem efeito” até que Deus fez a luz para ser, dizendo “Haja luz.”

O Alcorão também diz, “Deus é a luz dos céus e da terra,” que se reflete em um dos antigos escritos hindus: “Guia-me da escuridão para a luz, guia-me do irreal para o real.” O papel da luz nos levar a partir do vazio irreal (o nada) para uma realidade foi de facto compreendido por um longo, há muito tempo. É possível que os antigos santos e profetas sabia coisas que só agora estamos começando a descobrir com todos os nossos supostos avanços no conhecimento?

Eu sei que pode estar correndo para lugares onde anjos temem pisar, para reinterpretar as Escrituras é um jogo perigoso. Tais interpretações alienígenas raramente são bem-vindos nos círculos teológicos. Mas eu busco refúgio no fato de que eu estou procurando concordância nas concepções metafísicas de filosofias espirituais, sem diminuir o seu valor mística e teológica.

Os paralelos entre a distinção numênico-fenomenal em fenomenalismo eo Brahman-Maya distinção em Advaita são difíceis de ignorar. Esta sabedoria testada pelo tempo sobre a natureza da realidade a partir do repertório de espiritualidade está sendo reinventada em neurociência moderna, que trata a realidade como uma representação cognitiva criada pelo cérebro. O cérebro usa as entradas sensoriais, memória, consciência, e até mesmo a linguagem como ingredientes em inventar nosso senso de realidade. Esta visão da realidade, no entanto, é algo que a física ainda está para vir aos termos com. Mas na medida em que sua arena (espaço e tempo) é uma parte da realidade, física não é imune a filosofia.

À medida que empurrar os limites de nosso conhecimento mais e mais, estamos começando a descobrir interligações até então insuspeitas e muitas vezes surpreendentes entre os diferentes ramos de esforços humanos. Em última análise, como podem os diversos domínios de nosso conhecimento ser independentes um do outro quando todo o nosso conhecimento reside em nosso cérebro? O conhecimento é uma representação cognitiva de nossas experiências. Mas, então,, assim é realidade; é uma representação cognitiva dos nossos inputs sensoriais. É uma falácia pensar que o conhecimento é a nossa representação interna de uma realidade externa, e, portanto, distinta. Conhecimento e realidade são dois constructos cognitivos internos, embora tenhamos chegado a pensar neles como algo separado.

Reconhecer e fazer uso das interconexões entre os diferentes domínios da atividade humana pode ser o catalisador para o próximo grande avanço em nossa sabedoria coletiva que temos estado à espera de.

Half a Bucket of Water

We all see and feel space, but what is it really? Space is one of those fundamental things that a philosopher may consider an “intuition.” When philosophers look at anything, they get a bit technical. Is space relational, as in, defined in terms of relations between objects? A relational entity is like your family — you have your parents, siblings, spouse, kids etc. forming what you consider your family. But your family itself is not a physical entity, but only a collection of relationships. Is space also something like that? Or is it more like a physical container where objects reside and do their thing?

You may consider the distinction between the two just another one of those philosophical hairsplittings, but it really is not. What space is, and even what kind of entity space is, has enormous implications in physics. Por exemplo, if it is relational in nature, then in the absence of matter, there is no space. Much like in the absence of any family members, you have no family. Por outro lado, if it is a container-like entity, the space exists even if you take away all matter, waiting for some matter to appear.

Então o que, you ask? Bem, let’s take half a bucket of water and spin it around. Once the water within catches on, its surface will form a parabolic shape — você sabe, centrifugal force, gravidade, surface tension and all that. Agora, stop the bucket, and spin the whole universe around it instead. Eu sei, it is more difficult. But imagine you are doing it. Will the water surface be parabolic? I think it will be, because there is not much difference between the bucket turning or the whole universe spinning around it.

Agora, let’s imagine that we empty the universe. There is nothing but this half-full bucket. Now it spins around. What happens to the water surface? If space is relational, in the absence of the universe, there is no space outside the bucket and there is no way to know that it is spinning. Water surface should be flat. (De fato, it should be spherical, but ignore that for a second.) And if space is container-like, the spinning bucket should result in a parabolic surface.

Claro, we have no way of knowing which way it is going to be because we have no way of emptying the universe and spinning a bucket. But that doesn’t prevent us from guessing the nature of space and building theories based on it. Newton’s space is container-like, while at their heart, Einstein’s theories have a relational notion of space.

Assim, entende, philosophy does matter.

O Unreal Universo – Reviewed

The Straits Times

pback-cover (17K)O jornal nacional de Cingapura, Straits Times, elogia o estilo de fácil leitura e conversação utilizado em O Unreal Universo e recomenda-lo para quem quiser aprender sobre a vida, o universo e tudo.

Wendy Lochner

Chamando O Unreal Universo uma boa leitura, Wendy diz, “É bem escrito, muito clara a seguir para o não-especialista.”

Bobbie Natal

Descrevendo O Unreal Universo como “um livro tão perspicaz e inteligente,” Bobbie diz, “Um livro para pensar leigos, este legível, instigante trabalho oferece uma nova perspectiva sobre a nossa definição de realidade.”

M. S. Chandramouli

M. S. Chandramouli graduated from the Indian Institute of Technology, Madras in 1966 and subsequently did his MBA from the Indian Institute of Management, Ahmedabad. After an executive career in India and Europe covering some 28 years he founded Surya International in Belgium through which he now offers business development and industrial marketing services.

Here is what he says about O Unreal Universo:

“The book has a very pleasing layout, with the right size of font and line spacing and correct content density. Great effort for a self-published book!”

“The impact of the book is kaleidoscopic. The patterns in one reader’s mind (mine, que é) shifted and re-arranged themselves with a ‘rustling noise’ more than once.””The author’s writing style is remarkably equidistant from the turgid prose of Indians writing on philosophy or religion and the we-know-it-all style of Western authors on the philosophy of science.”

“There is a sort of cosmic, background ‘Eureka!’ that seems to suffuse the entire book. Its central thesis about the difference between perceived reality and absolute reality is an idea waiting to bloom in a million minds.”

“The test on the ‘Emotionality of Faith,’ Página 171, was remarkably prescient; it worked for me!”

“I am not sure that the first part, which is essentially descriptive and philosophical, sits comfortably with the second part with its tightly-argued physics; if and when the author is on his way to winning the argument, he may want to look at three different categories of readers – the lay but intelligent ones who need a degree of ‘translation,’ the non-physicist specialist, and the physicist philosophers. Market segmentation is the key to success.”

“I think this book needs to be read widely. I am making a small attempt at plugging it by copying this to my close friends.”

Steven Bryant

Steven is a Vice President of Consulting Services for Primitive Logic, a premier Regional Systems Integrator located in San Francisco, California. He is the author of The Relativity Challenge.

“Manoj views science as just one element in the picture of life. Science does not define life. But life colors how we understand science. He challenges all readers to rethink their believe systems, to question what they thought was real, to ask “why”? He asks us to take off our “rose colored glasses” and unlock new ways of experiencing and understanding life. This thought provoking work should be required reading to anyone embarking on a new scientific journey.”

“Manoj’s treatment of time is very thought provoking. While each of our other senses – sight, som, smell, taste and touch – are multi-dimensional, time appears to be single dimensional. Understanding the interplay of time with our other senses is a very interesting puzzle. It also opens to door to the existence possibilities of other phenomena beyond our know sensory range.”

“Manoj’s conveys a deep understanding of the interaction of our physics, human belief systems, perceptions, experiences, and even our languages, on how we approach scientific discovery. His work will challenge you to rethink what you think you know is true.”

“Manoj offers a unique perspective on science, percepção, and reality. The realization that science does not lead to perception, but perception leads to science, is key to understanding that all scientific “facts” are open for re-exploration. This book is extremely thought provoking and challenges each reader the question their own beliefs.”

“Manoj approaches physics from a holistic perspective. Physics does not occur in isolation, but is defined in terms of our experiences – both scientific and spiritual. As you explore his book you’ll challenge your own beliefs and expand your horizons.”

Blogs and Found Online

From the Blog Through The Looking Glass

“This book is considerably different from other books in its approach to philosophy and physics. It contains numerous practical examples on the profound implications of our philosophical viewpoint on physics, specifically astrophysics and particle physics. Each demonstration comes with a mathematical appendix, which includes a more rigorous derivation and further explanation. The book even reins in diverse branches of philosophy (e.g. thinking from both the East and the West, and both the classical period and modern contemporary philosophy). And it is gratifying to know that all the mathematics and physics used in the book are very understandable, and thankfully not graduate level. That helps to make it much easier to appreciate the book.”

From the Hub Pages

Calling itself “An Honest Review of O Unreal Universo,” this review looks like the one used in Straits Times.

I got a few reviews from my readers through email and online forums. I have compiled them as anonymous reviews in the next page of this post.

Click on the link below to visit the second page.

The Big Bang Theory – Parte II

Depois de ler um papel por Ashtekar sobre a gravidade quântica e pensando nisso, Eu percebi que era o meu problema com a teoria do Big Bang. É mais sobre as premissas fundamentais do que os detalhes. Eu pensei que eu iria resumir meus pensamentos aqui, mais para o meu próprio benefício do que qualquer outra pessoa.

Teorias clássicas (incluindo SR e QM) espaço deleite como nada contínua; daí o termo continuum espaço-tempo. Neste ponto de vista, objetos existem no espaço contínuo e interagir uns com os outros em tempo contínuo.

Embora esta noção de espaço tempo contínuo é intuitivamente atraente, é, no melhor, incompleto. Considere, por exemplo, um corpo girando no espaço vazio. Espera-se para experimentar a força centrífuga. Agora imagine que o corpo está parado e todo o espaço está girando em torno dele. Será que vai sentir qualquer força centrífuga?

É difícil ver por que não haveria qualquer força centrífuga se o espaço é o nada vazio.

GR introduziu uma mudança de paradigma através da codificação de gravidade no espaço-tempo, tornando-o dinâmico por natureza, nada, em vez de vazios. Assim, massa fica enredado no espaço (e hora), espaço torna-se sinônimo do universo, ea questão de fiação corpo torna-se fácil de responder. Sim, ele vai experimentar a força centrífuga se é o universo que gira em torno dele, porque é equivalente à rotação do corpo. E, não, ele não vai, se encontra no espaço vazio apenas. Mas “espaço vazio” não existe. Na ausência de massa, não há nenhuma geometria espaço-tempo.

Assim, naturalmente, antes do Big Bang (se não houvesse um), não poderia haver qualquer espaço, nem mesmo poderia haver qualquer “antes.” Nota, no entanto, que o papel Ashtekar não afirma claramente por que tinha que haver um big bang. O mais próximo que se tem é que a necessidade de BB surge a partir da codificação de gravidade no espaço-tempo em GR. Apesar dessa codificação de gravidade e tornando assim o espaço-tempo dinâmico, GR ainda trata o espaço-tempo como um contínuo suave — uma falha, de acordo com Ashtekar, QG que vai corrigir.

Agora, se aceitarmos que o universo começou com um big bang (e a partir de uma pequena região), temos que contabilizar os efeitos quânticos. O espaço-tempo tem que ser quantificado e que a única maneira certa de fazê-lo seria através de gravidade quântica. Através QG, esperamos evitar a singularidade do Big Bang de GR, Da mesma forma QM resolveu o problema ilimitada energia do estado fundamental do átomo de hidrogênio.

O que eu descrevi acima é o que eu entendo ser os argumentos físicos por trás cosmologia moderna. O resto é um edifício matemático construído no topo desta físico (ou mesmo filosofia) fundação. Se você não tem opiniões fortes sobre o fundamento filosófico (ou se as suas opiniões sejam compatíveis com ela), você pode aceitar BB sem dificuldade. Infelizmente, Eu tenho opiniões divergentes.

Minhas opiniões giram em torno das seguintes questões.

Estas mensagens podem soar como reflexões filosóficas inúteis, mas eu tenho alguns concreto (e na minha opinião, importante) resultados, listado abaixo.

Há muito mais trabalho a ser feito nessa frente. Mas, para os próximos dois anos, com o meu novo contrato do livro e as pressões da minha carreira quant, Eu não vou ter tempo suficiente para estudar GR e cosmologia com a seriedade que merecem. Espero voltar a eles uma vez que a atual fase de Espalhando-se muito fino passes.

Luz viagem no tempo efeitos e recursos cosmológicos

Este artigo não publicado é uma sequela para o meu artigo anterior (também postou aqui como “É Rádio Fontes e Gamma Ray Bursts Luminal Booms?“). Esta versão de blog contém o resumo, introdução e conclusões. A versão integral do artigo está disponível como um arquivo PDF.

.

Abstrato

Os efeitos do tempo de viagem Luz (LTT) são uma manifestação óptica da velocidade finita da luz. Eles também podem ser considerados limitações perceptual para a imagem cognitiva do espaço e do tempo. Com base nessa interpretação de efeitos LTT, que apresentou recentemente um novo modelo hipotético para a variação espacial e temporal do espectro da Gamma Ray Bursts (GRB) e fontes de rádio. Neste artigo, tomamos a análise mais e mostrar que os efeitos LTT pode fornecer um bom quadro para descrever tais características cosmológicas como a observação redshift de um universo em expansão, ea radiação cósmica de fundo. A unificação desses fenômenos aparentemente distintas em muito diferentes escalas de comprimento e tempo, juntamente com a sua simplicidade conceitual, podem ser considerados como indicadores da utilidade curioso deste quadro, se não a sua validade.

Introdução

A velocidade finita da luz desempenha um papel importante na forma como percebemos a distância ea velocidade. Este fato dificilmente deve vir como uma surpresa, porque nós sabemos que as coisas não são como nós os vemos. O sol que vemos, por exemplo, já é de oito minutos de idade no momento em que vê-lo. Este atraso é trivial; se queremos saber o que está acontecendo no sol agora, tudo o que temos a fazer é esperar por oito minutos. Nós, no entanto,, tem que “correto” para essa distorção em nossa percepção, devido à velocidade finita da luz antes que possamos confiar no que vemos.

O que é surpreendente (e raramente destaque) é que, quando se trata de sensores de movimento, não podemos voltar a calcular da mesma forma que tirar o atraso em ver o sol. Se vemos um corpo celeste se movendo a uma improvável alta velocidade, não podemos descobrir o quão rápido e em que direção é “realmente” movimento sem outros pressupostos. Uma maneira de lidar com essa dificuldade é atribuir as distorções na nossa percepção de movimento para as propriedades fundamentais da arena da física — espaço e tempo. Outra linha de ação é aceitar a desconexão entre a nossa percepção ea subjacente “realidade” e lidar com ele de alguma forma.

Explorando a segunda opção, assumimos uma realidade subjacente que dá origem à nossa imagem percebida. Nós modelo ainda mais essa realidade subjacente como obedecendo a mecânica clássica, e trabalhar a nossa imagem percebida através do aparelho de percepção. Em outras palavras, não atribuem as manifestações de velocidade finita da luz para as propriedades da realidade subjacente. Em vez, nós cuidamos da nossa imagem percebido que este modelo prevê e verificar se as propriedades que nós observamos podem se originar a partir desta restrição perceptual.

Espaço, os objetos nele, e seu movimento são, de um modo geral, o produto de percepção óptica. Um tende a tomar como certo que a percepção da realidade surge como um percebe. Neste artigo, tomamos a posição de que o que percebemos é uma imagem incompleta ou distorcida de uma realidade subjacente. Mais, estamos tentando out mecânica clássica para a realidade do subjacente (para a qual nós usamos termos como absoluta, realidade noumenal ou física) que faz com que a nossa percepção para ver se ele se encaixa com a nossa imagem percebida (que podemos nos referir à realidade como detectado ou fenomenal).

Note-se que não estamos dando a entender que as manifestações de percepção são meras ilusões. Eles não são; eles são de fato parte da nossa realidade detectada porque a realidade é um resultado final de percepção. Essa percepção pode estar por trás a famosa frase de Goethe, “Ilusão de ótica é a verdade óptica.”

Nós aplicamos essa linha de pensamento a um problema de física recentemente. Nós olhamos para a evolução do espectro de um GRB e achei que fosse notavelmente semelhante ao de um estrondo sônico. Usando este facto, apresentamos um modelo para GRB como a nossa percepção de um “luminal” árvore, com o entendimento de que é a nossa imagem percebida da realidade que obedece a invariância de Lorentz e nosso modelo para a realidade subjacente (fazendo com que a imagem percebida) pode violar física relativista. O acordo marcante entre o modelo e as características observadas, no entanto, prorrogada para além GRBs a fontes de rádio simétricas, que também pode ser considerado como efeitos perceptivos de booms luminais hipotéticas.

Neste artigo, olharmos para outras implicações do modelo. Começamos com as semelhanças entre o tempo de viagem de luz (LTT) efeitos e a transformação de coordenadas em Relatividade Especial (SR). Estas semelhanças não são surpreendentes porque SR deriva, em parte, com base nos efeitos LTT. Nós, então, propor uma interpretação da SR como uma formalização de efeitos LTT e estudar alguns fenômenos cosmológicos observados à luz desta interpretação.

Semelhanças entre a luz viajar no tempo Efeitos e SR

A relatividade especial visa coordenar uma transformação linear entre sistemas de coordenadas em movimento em relação ao outro. Podemos traçar a origem da linearidade de um pressuposto oculto sobre a natureza do espaço e do tempo construída em SR, como afirmou Einstein: “Em primeiro lugar, é evidente que as equações deve ser linear, em virtude das propriedades de homogeneidade que atribuímos a espaço e tempo.” Devido a essa suposição de linearidade, a derivação original das equações de transformação ignora a assimetria entre aproximando e se afastando objetos. Tanto a aproximação e recuo objectos pode ser descrito por dois sistemas que são sempre de recuo de cada outra coordenada. Por exemplo, se um sistema K está em movimento em relação a um outro sistema k ao longo do eixo X positivo de k, em seguida, um objeto em repouso K a uma positiva x está se afastando enquanto outro objeto em um negativo x está se aproximando de um observador na origem da k.

A transformação de coordenadas no trabalho original de Einstein é derivado, em parte, uma manifestação do tempo de viagem luz (LTT) efeitos e por consequência a imposição a constância da velocidade da luz em todos os referenciais inerciais. Isso é mais evidente no primeiro experimento de pensamento, onde os observadores se deslocam com uma haste de encontrar os seus relógios não sincronizado, devido à diferença nos tempos de viagem de luz ao longo do comprimento da haste. Contudo, na interpretação atual da SR, a transformação de coordenadas é considerado uma propriedade básica de espaço e tempo.

Uma dificuldade que surge a partir desta interpretação de SR é que a definição da velocidade relativa entre os dois quadros de inércia torna-se ambígua. Se for a velocidade da trama em movimento, conforme medido pelo observador, em seguida, o movimento superluminal observado em jatos de rádio a partir da região do núcleo torna-se uma violação do SR. Se for uma velocidade que temos a considerar os efeitos deduzir por LT, então temos que empregar a suposição ad-hoc extra que superluminality é proibido. Essas dificuldades sugerem que pode ser melhor para separar os efeitos de luz tempo de viagem do resto do SR.

Nesta secção, vamos considerar espaço e tempo como uma parte do modelo cognitivo criado pelo cérebro, e argumentam que a relatividade especial aplica-se ao modelo cognitivo. A realidade absoluta (de que o SR-como o espaço-tempo é a nossa percepção) não tem de obedecer às restrições da SR. Em particular, objectos não são restritas a velocidades subluminal, mas eles podem aparecer para nós como se eles estão restritos a velocidades subluminal em nossa percepção do espaço e do tempo. Se separar os efeitos LTT do resto do SR, podemos compreender uma grande variedade de fenômenos, como veremos neste artigo.

Ao contrário de SR, considerações baseadas em efeitos LTT resultar em conjunto intrinsecamente diferente de leis de transformação para objetos que se aproximam um observador e os afastando dele. Mais geralmente, a transformação depende do ângulo entre a velocidade do objecto e a linha de visão do observador. Uma vez que as equações de transformação com base em efeitos LTT tratar aproximando e se afastando objetos assimetricamente, eles fornecem uma solução natural para o paradoxo dos gêmeos, por exemplo.

Conclusões

Como o espaço eo tempo são uma parte de uma realidade criada a partir de insumos de luz para os nossos olhos, algumas das suas propriedades são manifestações de efeitos LTT, especialmente na nossa percepção do movimento. O absoluto, realidade física, presumivelmente, gerando as entradas de luz não tem que obedecer as propriedades que atribuímos ao nosso espaço e tempo percebido.

Nós mostramos que os efeitos LTT são qualitativamente idênticos aos do SR, observando que SR considera apenas quadros de referência recuando um do outro. Esta semelhança não é surpreendente, porque a transformação de coordenadas no SR é derivado com base, em parte, os efeitos LTT, e, em parte, na hipótese de que a luz viaja à mesma velocidade com que diz respeito a todos os inerciais. Em tratando-o como uma manifestação de LTT, nós não abordou a principal motivação de SR, que é uma formulação covariante das equações de Maxwell. Pode ser possível separar a covariância da eletrodinâmica a partir da transformação de coordenadas, embora não seja experimentada com este artigo.

Ao contrário de SR, Efeitos LTT são assimétricas. Esta assimetria fornece uma solução para o paradoxo dos gêmeos e uma interpretação das violações de causalidade assumidas associado com superluminality. Além disso, a percepção de superluminality é modulada por efeitos LTT, e explica gamma explosões de raios e jatos simétricos. Como mostramos no artigo, percepção do movimento superluminal também tem uma explicação para os fenômenos cosmológicos, como a expansão do universo e microondas radiação cósmica de fundo. Efeitos LTT deve ser considerada como uma restrição fundamental em nossa percepção, e, consequentemente, na física, ao invés de uma explicação conveniente para fenômenos isolados.

Tendo em conta que a nossa percepção é filtrada através de efeitos LTT, temos que deconvolute-los de nossa realidade percebida, a fim de compreender a natureza do absoluto, realidade física. Este deconvolution, no entanto, resulta em várias soluções. Assim, o absoluto, realidade física está além do nosso alcance, e qualquer suposto propriedades da realidade absoluta só pode ser validada através de quão bem a resultante percebido realidade está de acordo com nossas observações. Neste artigo, assumiu-se que a realidade subjacente obedece nossos mecânica clássica intuitivamente óbvio e fez a pergunta como essa realidade seria percebido quando filtrada através de efeitos de tempo de viagem luz. Nós demonstramos que este tratamento especial poderia explicar certos fenômenos astrofísicos e cosmológicos que observamos.

A transformação de coordenadas no SR pode ser visto como uma redefinição do espaço e do tempo (ou, mais geralmente, realidade) a fim de acomodar as distorções em nossa percepção do movimento, devido aos efeitos de tempo de viagem luz. Pode-se ser tentado a argumentar que se aplica ao SR “reais” espaço e tempo, não a nossa percepção. Essa linha de argumentação levanta a questão, o que é real? A realidade é somente um modelo cognitivo criado em nosso cérebro a partir de nossas entradas sensoriais, inputs visual que é o mais importante. O próprio espaço é uma parte deste modelo cognitivo. As propriedades do espaço são um mapeamento dos limites da nossa percepção.

A escolha de aceitar a nossa percepção como uma verdadeira imagem da realidade e redefinindo o espaço eo tempo como descrito na relatividade especial, na verdade equivale a uma escolha filosófica. A alternativa apresentada no artigo é inspirado pela visão da neurociência moderna que a realidade é um modelo cognitivo no cérebro com base em nossas informações sensoriais. Adotando essa alternativa nos reduz a adivinhar a natureza da realidade absoluta e comparando sua projeção previsto para nossa percepção real. Pode simplificar e explicar algumas teorias da física e explicar alguns fenômenos intrigantes em nosso universo. Contudo, esta opção é mais uma postura filosófica contra a realidade absoluta incognoscível.

É Rádio Fontes e Gamma Ray Bursts Luminal Booms?

Este artigo foi publicado no International Journal of Modern Physics D (IJMP–D) em 2007. Logo tornou-se o As mais acessadas artigo da revista por Janeiro 2008.

Embora possa parecer como um artigo de física núcleo duro, é de fato uma aplicação da visão filosófica que permeia este blog e meu livro.

Esta versão de blog contém o resumo, introdução e conclusões. A versão integral do artigo está disponível como um arquivo PDF.

Jornal de referência: IJMP-D completa. 16, Não. 6 (2007) pp. 983–1000.

.

Abstrato

O amolecimento do arrebol GRB tem semelhanças notáveis ​​para a evolução de freqüência em um estrondo sônico. Na extremidade dianteira da lança cone sónica, a freqüência é infinito, muito parecido com um estouro Gamma Ray (GRB). Dentro do cone, a frequência diminui rapidamente para faixas infrasônicas ea fonte sonora aparece em dois lugares ao mesmo tempo, imitando as fontes de rádio dois lóbulos. Embora um “luminal” crescimento viola a invariância de Lorentz e, portanto, é proibido, é tentador trabalhar os detalhes e compará-los com os dados existentes. Esta tentação é ainda reforçada pelo superluminality observada nos objetos celestes associados com fontes de rádio e algumas GRBs. Neste artigo, calcula-se a variação temporal e espacial das freqüências observadas de um boom luminal hipotética e mostram notável semelhança entre os nossos cálculos e observações atuais.

Introdução

Uma explosão sónica é criado quando um objecto emissor de som passa através do meio mais rápido do que a velocidade do som no meio que. À medida que o objecto atravessa o meio, o som que ele emite cria uma frente de onda cônica, como mostrado na Figura 1. A freqüência do som neste frente de onda é infinito por causa do efeito Doppler. A frequência atrás da frente de onda cónica cai dramaticamente e logo atinge a gama infrasonic. Esta evolução freqüência é notavelmente semelhante ao arrebol evolução de uma explosão de raios gama (GRB).

Sonic Boom
Figura 1:. A evolução de frequências de ondas sonoras, como um resultado do efeito de Doppler em movimento supersónico. O objeto supersónico S está se movendo ao longo da seta. As ondas sonoras são "invertidos", devido ao movimento, de modo que as ondas emitidas em dois pontos diferentes na mesclagem trajetória e chegar ao observador (em O) ao mesmo tempo. Quando a frente de onda atinge o observador, a freqüência é infinito. Depois disso, a frequência diminui rapidamente.

Gamma Ray Bursts são muito breve, mas flashes intensos de \gamma raios no céu, com duração de poucos milissegundos até vários minutos, e atualmente acredita-se que emanam de colapsos estelares cataclísmicos. Os flashes curtos (as emissões rápidas) são seguidos por um arrebol de energias progressivamente mais suaves. Assim, o inicial \gamma Os raios são prontamente substituído por raios-X, luz e até mesmo ondas de rádio freqüência. Este amolecimento do espectro tem sido conhecida há algum tempo, e foi descrita pela primeira vez usando um hypernova (bola de fogo) modelo. Neste modelo, uma bola de fogo relativisticamente expansão produz o \gamma emissão, eo espectro suaviza como a bola de fogo esfria. O modelo calcula a energia liberada na \gamma região 10^ {53}10^ {54} ergs em poucos segundos. Esta saída de energia é semelhante a cerca 1000 vezes o total de energia liberada pelo sol em toda a sua vida.

Mais recentemente, um decaimento inverso do pico de energia com diferentes constantes de tempo foi usado para se encaixar de forma empírica a evolução temporal observada da energia de pico utilizando um modelo de colapsar. De acordo com este modelo, OPGs são produzidos quando a energia de fluxos altamente relativistas em colapsos estelares são dissipadas, com os jatos de radiação resultante ângulo corretamente com relação à nossa linha de visão. O modelo colapsar estima uma produção de energia inferior porque a liberação de energia não é isotrópico, mas concentrado ao longo dos jatos. Contudo, a taxa de acontecimentos Collapsar tem que ser corrigida para a fracção do ângulo sólido dentro do qual os jactos de radiação pode aparecer como OPGs. OPGs são observados aproximadamente à taxa de uma vez por dia. Assim, a taxa esperada de eventos cataclísmicos que alimentam as GRBs é da ordem de 10^410^6 por dia. Devido a esta relação inversa entre a taxa ea produção de energia estimada, a energia total libertada por observada OOG permanece a mesma.

Se pensarmos em um GRB como um efeito semelhante ao estrondo sônico em movimento supersônico, a necessidade de energia cataclísmico assumido torna-se supérfluo. Outra característica da nossa percepção do objeto supersônico é que ouvimos a fonte de som em dois locais diferentes, como ao mesmo tempo, como ilustrado na figura 2. Este curioso efeito ocorre porque as ondas sonoras emitidas em dois pontos diferentes na trajetória do objeto supersônico chegar ao observador no mesmo instante no tempo. O resultado final deste efeito é a percepção de um par simetricamente recuo das fontes sonoras, que, no mundo luminal, é uma boa descrição de fontes de rádio simétricas (Dupla fonte Radio Associado com núcleo galáctico ou Dragn).

superluminality
Figura 2:. O objeto está voando de para A através e B a uma velocidade supersónica constante. Imagine que o objeto emite som durante a sua viagem. O som emitido no ponto (que está perto do ponto de maior aproximação B) atinge o observador no O antes que o som emitido mais cedo, . O instante em que o som em um ponto anterior atinge o observador, o som emitido num momento muito tarde A também atinge O. Assim, o som emitido pelo A e atinge o observador ao mesmo tempo, dando a impressão de que o objeto é nestes dois pontos ao mesmo tempo. Em outras palavras, o observador ouve dois objetos se afastando em vez de um objecto real.

Rádio Fontes são tipicamente simétrica e parecem associados a núcleos galácticos, manifestações actualmente consideradas de singularidades do espaço-tempo ou estrelas de nêutrons. Diferentes classes de tais objetos associados Núcleos Ativos de Galáxias (AGN) foram encontrados nos últimos 50 anos. Figura 3 mostra a galáxia de rádio Cygnus A, um exemplo de uma tal fonte de rádio e um dos objectos mais brilhantes rádio. Muitas de suas características são comuns à maioria das fontes de rádio extragaláctica: os lóbulos duplos simétricos, uma indicação de um núcleo, uma aparência de jatos alimentam os lobos e os hotspots. Pesquisadores observaram características cinemáticas mais detalhados, como o movimento próprio dos hotspots nos lobos.

Fontes de rádio simétricas (galáctico ou extragaláctica) e GRBs podem parecer fenômenos completamente distintos. Contudo, seus núcleos apresentam uma evolução similar no tempo de pico de energia, mas com muito diferentes constantes de tempo. Os espectros de OPGs de evoluir rapidamente \gamma região para uma pós-luminescência óptico ou mesmo RF, semelhante à evolução espectral dos hotspots de uma fonte de rádio como eles se movem a partir do núcleo para os lobos. Outras semelhanças começaram a atrair a atenção nos últimos anos.

Este artigo explora as semelhanças entre um hipotético “luminal” lança e esses dois fenômenos astrofísicos, embora tal crescimento luminal é proibido pela invariância de Lorentz. Tratar OOG como uma manifestação de um boom luminais hipotéticos resultados em um modelo que unifica esses dois fenômenos e faz previsões detalhadas de suas cinemática.

CygA
Figura 3:.O jato de rádio e lobos na galáxia rádio hyperluminous Cygnus A. Os hotspots nos dois lóbulos, região do núcleo e os jactos são claramente visíveis. (Reproduzido de uma imagem cortesia da NRAO / AUI.)

Conclusões

Neste artigo, nós olhamos para a evolução espaço-temporal de um objeto supersônico (tanto na sua posição ea freqüência do som que ouvimos). Nós mostramos que ela se assemelhe GRBs e DRAGNs se fôssemos para estender os cálculos à luz, apesar de um crescimento luminal exigiria movimento superluminal e, portanto, é proibido.

Esta dificuldade não obstante, apresentamos um modelo unificado para Gamma Ray Bursts e jet como fontes de rádio baseado em movimento superluminal em massa. Mostramos que um único objeto superluminal voando nosso campo de visão parece-nos como a separação simétrica de dois objetos a partir de um núcleo fixo. Usando este fato como o modelo para jatos simétricos e GRBs, explicamos suas características cinemáticas quantitativamente. Em particular, mostramos que o ângulo de separação dos hotspots foi parabólica em tempo, e os desvios para o vermelho de os dois focos eram praticamente idênticos uns aos outros. Mesmo o fato de que os espectros dos hotspots estão na região de freqüência de rádio é explicada assumindo movimento hyperluminal eo consequente desvio para o vermelho da radiação de corpo negro de uma estrela típica. A evolução no tempo da radiação de corpo negro de um objecto superluminar é completamente compatível com o amolecimento do observado nos espectros de OPGs e fontes de rádio. Além, nosso modelo explica porque é que há mudança significativa azul nas regiões centrais de fontes de rádio, por fontes de rádio parecem estar associados com as galáxias ópticos e por GRBs aparecem em pontos aleatórios sem nenhuma indicação antes de sua aparição iminente.

Apesar de não abordar as questões Energética (a origem de superluminality), nosso modelo apresenta uma opção intrigante baseado em como iríamos perceber movimento superluminal hipotético. Foi apresentado um conjunto de previsões e comparou-os com os dados existentes de DRAGNs e GRBs. Os recursos como o azul do núcleo, simetria dos lóbulos, o transiente \gamma e rajadas de Raios-X, a evolução dos espectros medido ao longo do jato tudo encontrar explicações naturais e simples neste modelo como efeitos perceptivos. Encorajado por este sucesso inicial, podemos aceitar o nosso modelo baseado no crescimento luminal como um modelo de trabalho para esses fenômenos astrofísicos.

Tem que se ressaltar que os efeitos perceptivos podem se disfarçar como violações aparentes da física tradicional. Um exemplo de um tal efeito é o movimento aparente superluminar, que foi explicado e antecipado dentro do contexto da teoria da relatividade especial, mesmo antes de o mesmo foi observado. Embora a observação de movimento superluminar foi o ponto de partida para trás o trabalho apresentado neste artigo, é de nenhuma maneira uma indicação da validade do nosso modelo. A semelhança entre um estrondo sônico e um boom luminal hipotético na evolução espaço-temporal e espectral é apresentado aqui como um curioso, embora provavelmente infundada, fundação para o nosso modelo.

Uma lata, no entanto, argumentam que a teoria da relatividade especial (SR) não lida com superluminality e, portanto,, movimento e luminais booms superluminais não são incompatíveis com SR. Como evidenciado pelas declarações de trabalho original de Einstein abertura, a principal motivação para SR é uma formulação covariante das equações de Maxwell, o que exige uma transformação de coordenadas determinado com base, em parte, o tempo de viagem de luz (LTT) efeitos, e, em parte, na hipótese de que a luz viaja à mesma velocidade com que diz respeito a todos os inerciais. Apesar desta dependência LTT, os efeitos LTT atualmente assumiu a aplicar em um espaço-tempo que obedece SR. SR é uma redefinição do espaço e do tempo (ou, mais geralmente, realidade) , de modo a acomodar as suas duas postulados básicos. Pode ser que haja uma estrutura de fundo para o espaço de tempo, dos quais SR é só nossa percepção, filtrou-se através dos efeitos LTT. Tratando-os como uma ilusão de ótica para ser aplicado em um espaço-tempo que obedece SR, podemos ser o dobro contá-las. Podemos evitar a dupla contabilização de desembaraçar a covariância das equações de Maxwell a partir da parte transformações de coordenadas de SR. Tratar os efeitos LTT separadamente (sem atribuir suas conseqüências para a natureza básica do espaço e do tempo), podemos acomodar superluminality e obter explicações elegantes dos fenômenos astrofísicos descritos neste artigo. Nossa explicação unificada para GRBs e fontes de rádio simétricas, portanto,, tem implicações tão profundas como a nossa compreensão básica da natureza do espaço e do tempo.


Foto por NASA Goddard Foto e Vídeo