Tag Archives: vida

Resumindo

Perto do fim de sua vida, Somerset Maugham resumiu sua “take-aways” em um livro apropriadamente intitulado “O Resumindo.” Eu também sinto uma vontade de somar, para fazer um balanço do que tenho conseguido e tentou alcançar. Este desejo é, claro, um bocado parvo no meu caso. Por um lado, I nada claramente obtida com Maugham; mesmo considerando que ele era muito mais velho quando ele resumiu suas coisas e ter mais tempo conseguir as coisas. Em segundo lugar, Maugham poderia expressar sua opinião sobre a vida, universo e tudo muito melhor do que eu jamais será capaz de. Estes inconvenientes não obstante, Vou dar uma facada nele mim porque eu comecei a sentir a proximidade de uma chegada — tipo o que você sente nas últimas horas de um voo de longo curso. Eu sinto como se tudo o que eu tenho a intenção de fazer, se eu consegui-lo ou não, já está atrás de mim. Agora provavelmente é um momento tão bom quanto qualquer outro para me pergunto — o que é que me propus a fazer?

Acho que o meu principal objetivo na vida era saber coisas. No início, era as coisas físicas, como rádios e televisão. Ainda me lembro da emoção de encontrar os seis primeiros volumes de “Rádio Básico” na coleção de livros do meu pai, embora eu não tinha nenhuma chance de entender o que eles disseram naquele ponto no tempo. Foi uma emoção que me levou através de meus anos de graduação. Posteriormente, meu foco mudou-se para as coisas mais fundamentais como a questão, átomos, luz, partículas, física etc. Em seguida, para a mente eo cérebro, espaço e tempo, percepção e realidade, vida e morte — questões que são mais profundas e mais importante, mas, paradoxalmente,, menos significativo. Neste ponto da minha vida, onde eu estou tomando um balanço do que eu fiz, Eu tenho que me perguntar, valeu a pena? Eu fiz bem, ou que eu fiz mal?

Olhando para trás na minha vida até agora agora, Eu tenho muitas coisas para ser feliz, podendo os outros que eu não estou tão orgulhoso de. Boas notícias — Eu já percorreu um longo caminho a partir de onde eu comecei. Eu cresci em uma família de classe média na década de setenta na Índia. Classe média indiana nos anos setenta seria pobre para os padrões mundiais sensatas. E a pobreza era tudo em torno de mim, com os colegas que abandonam a escola para se envolver em trabalho infantil servil como carregar lama e primos que não podia pagar uma refeição completa por dia. A pobreza não era uma condição hipotética que aflige almas desconhecidos em terras distantes, mas era uma realidade dolorosa e palpável tudo ao meu redor, uma realidade que eu escapei por sorte cega. A partir daí, Consegui garra meu caminho para uma existência de classe média alta em Cingapura, que é rica pela maioria dos padrões globais. Esta viagem, a maioria dos quais pode ser atribuído à sorte cego em termos de acidentes genéticos (como a inteligência acadêmica) ou outros golpes de sorte, é interessante em seu próprio direito. Acho que deve ser capaz de dar uma interpretação bem-humorado sobre ele e blog-lo algum dia. Apesar de ser bobo para levar o crédito por glórias acidentais deste tipo, Eu seria desonesto se dissesse que não estava orgulhoso dele.

Are You Busy?

In the corporate world, all successful people are extremely busy. If your calendar is not filled with back-to-back meetings, you don’t belong in the upper rungs of the corporate ladder. Like most things in the corporate world, this feature has also turned on its head. You are not busy because your successful, you are successful because you can project an aura of being busy.

Something I read on the New York Times blog reminded me of an online resource that clearly told us how to look busy. It asked us to watch out for the innocent-sounding question from your colleagues or bosswhat are you up to these days? This question is a precursor to dumping more work on your plate. What we are supposed to do, aparentemente, is to have a ready-made response to this query. Think of the top three things that you are working on. Rehearse a soundbite on what exactly those pieces of work are, how important they are, and how hard you are working on them. Be as quantitative as possible. Por exemplo, say that you are working on a project that will make a difference of so many million dollars, and mention the large number of meetings per week you have to attend to chase up other teams etc. Então, when the query is casually thrown your way, you can effectively parry it and score a point toward your career advancement. You won’t be caught saying silly things like, “Ahem.., not much in the last week,” which would be sure invitation to a busy next week. Sério, the website actually had templates for the response.

Acting busy actually takes up time, and it is hard work, albeit pointless work. The fact of the matter is that we end up conditioning ourselves to actually believe that we really are busy, the work we are doing is significant and it matters. We have to, for not to do so would be to embrace our hypocrisy. If we can fool ourselves, we have absolution for the sin of hypocrisy at the very least. Além, fooling others then becomes a lot easier.

Being busy, when honestly believed, is more than a corporate stratagem. It is the validation of our worth at work, and by extension, our existence. The corporate love affair with being busy, portanto,, invades our private life as well. We become too busy to listen to our children’s silly stories and pet peeves. We become too busy to do the things than bring about happiness, like hanging out with friends and chilling for no purpose. Everything becomes a heavy purposeful actwatching TV is to relax after a hard day’s work (not because you love the Game of Thrones), a drink is to unwind (not because you are slightly alcoholic and love the taste), playing golf is to be seen and known in the right circles (not to smack the **** out of the little white ball) , even a vacation is a well-earned break torechargeourselves to more busy spells (not so much because you want to spend some quality time with your loved ones). Nothing is pointless. Mas, by trying not to waste time on pointless activities, we end up with a pointless life.

I think we need to do something pointless on a regular basis. Do you think my blogging is pointless enough? Acho que sim.

Aposentadoria — da esposa Vista

In connection with my recent retirement, my wife sent me an article (a speech given by someone on how to retire happily) which made several interesting points. But even more interestingly, it started with a funny story. Here it is:

In a small village in Kerala, a devout christian passed away. The local priest was out of station, and a priest from an adjoining village was called upon to deliver the eulogy. “Ladies and Gentlemen,” began the venerable pastor with the coffin before him. “Here lies dead before me a rare human being of this village with outstanding qualities. He was a gentleman, a scholar, sweet of tongue, gentle of temper and very catholic in outlook. He was generous to a fault and ever smiling.” The widow of the deceased sprang up and screamed, “Oh my God! They are burying the wrong man!"

True to form, this gentleman concluded his speech with another story.

First God created the cow and said, “You must go with the farmer everyday to the field, and suffer under the sun all day long, have calves, give milk and help the farmer. I give you a span of sixty years.” The cow said, “That’s surely tough. Give me only twenty years. I give back forty years.”

On Day Two, God created the dog and said, “Sit by the door of your house and bark at strangers. I give you a span of twenty years.” The dog said, “Too long a life for barking. I give up ten years.”

On the third day, God created the monkey and said to him, “Entertain people. Make them laugh. I give you twenty years.” The monkey said to God, “How boring! Monkey tricks for twenty years? Give me only ten years.” The Lord agreed.

On the fourth day, God created Man. He said to him, “Eat, sleep, play, enjoy and do nothing. I will give you twenty years.”

Man said, “Only twenty years? No way! I will take my twenty, but give me the forty the cow gave back, the ten that the monkey returned, and the ten the dog surrendered. That makes it eighty. Ok?” God agreed.

That is why for the first twenty years we sleep, play, enjoy and do nothing.
For the next forty years we slave in the sun to support our family.
For the next ten years we do monkey tricks to entertain our grandchildren.
And for the last ten years we sit in front of the house and bark at everybody.

Bem, I managed to cut down my forty cow-years to a mere twenty. Here’s hoping that I will get similar discounts on my monkey and dog years!

Deferred Satisfaction

The mother was getting annoyed that her teenaged son was wasting time watching TV.
“Son, don’t waste your time watching TV. You should be studying,” she advised.
“Porquê?” quipped the son, as teenagers usually do.
“Bem, if you study hard, you will get good grades.”
“Sim, so?”
“Então, you can get into a good school.”
“Why should I?”
“That way, you can hope to get a good job.”
“Porquê? What do I want with a good job?”
“Bem, you can make a lot of money that way.”
“Why do I want money?”
“Se você tem dinheiro suficiente, you can sit back and relax. Watch TV whenever you want to.”
“Bem, I’m doing it right now!”

What the mother is advocating, claro, is the wise principle of deferred satisfaction. It doesn’t matter if you have to do something slightly unpleasant now, as long as you get rewarded for it later in life. This principle is so much a part of our moral fabric that we take it for granted, never questioning its wisdom. Because of our trust in it, we obediently take bitter medicines when we fall sick, knowing that we will feel better later on. We silently submit ourselves to jabs, root-canals, colonoscopies and other atrocities done to our persons because we have learned to tolerate unpleasantnesses in anticipation of future rewards. We even work like a dog at jobs so loathesome that they really have to pay us a pretty penny to stick it out.

Before I discredit myself, let me make it very clear that I do believe in the wisdom of deferred satisfaction. I just want to take a closer look because my belief, or the belief of seven billion people for that matter, is still no proof of the logical rightness of any principle.

The way we lead our lives these days is based on what they call hedonism. I know that the word has a negative connotation, but that is not the sense in which I am using it here. Hedonism is the principle that any decision we take in life is based on how much pain and pleasure it is going to create. If there is an excess of pleasure over pain, then it is the right decision. Although we are not considering it, the case where the recipients of the pain and pleasure are distinct individuals, nobility or selfishness is involved in the decision. So the aim of a good life is to maximize this excess of pleasure over pain. Viewed in this context, the principle of delayed satisfaction makes sense — it is one good strategy to maximize the excess.

But we have to be careful about how much to delay the satisfaction. Claramente, if we wait for too long, all the satisfaction credit we accumulate will go wasted because we may die before we have a chance to draw upon it. This realization may be behind the mantra “live in the present moment.”

Where hedonism falls short is in the fact that it fails to consider the quality of the pleasure. That is where it gets its bad connotation from. Por exemplo, a ponzi scheme master like Madoff probably made the right decisions because they enjoyed long periods of luxurious opulence at the cost of a relatively short durations of pain in prison.

What is needed, talvez, is another measure of the rightness of our choices. I think it is in the intrinsic quality of the choice itself. We do something because we know that it is good.

Eu sou, claro, touching upon the vast branch of philosophy they call ethics. It is not possible to summarize it in a couple of blog posts. Nor am I qualified enough to do so. Michael Sandel, por outro lado, is eminently qualified, and you should check out his online course Justiça: Qual é a coisa certa a fazer? if interested. I just want to share my thought that there is something like the intrinsic quality of a way of life, or of choices and decisions. We all know it because it comes before our intellectual analysis. We do the right thing not so much because it gives us an excess of pleasure over pain, but we know what the right thing is and have an innate need to do it.

That, finalmente, is the theory. Mas, de tarde, I’m beginning to wonder whether the whole right-wrong, good-evil distinction is an elaborate ruse to keep some simple-minded folks in check, while the smarter ones keep enjoying totally hedonistic (using it with all the pejorative connotation now) pleasures of life. Why should I be good while the rest of them seem to be reveling in wall-to-wall fun? Is it my decaying internal quality talking, or am I just getting a bit smarter? I think what is confusing me, and probably you as well, is the small distance between pleasure and happiness. Doing the right thing results in happiness. Eating a good lunch results in pleasure. When Richard Feynman wrote about The Pleasure of Finding Things Out, he was probably talking about happiness. When I read that book, what I’m experiencing is probably closer to mere pleasure. Watching TV is probably pleasure. Writing this post, por outro lado, is probably closer to happiness. Finalmente, I hope so.

To come back my little story above, what could the mother say to her TV-watching son to impress upon him the wisdom of deferred satisfaction? Bem, just about the only thing I can think of is the argument from hedonism saying that if the son wastes his time now watching TV, there is a very real possibility that he may not be able to afford a TV later on in life. Perhaps intrinsically good parents won’t let their children grow up into a TV-less adulthood. I suspect I would, because I believe in the intrinsic goodness of taking responsibility for one’s actions and consequences. Does that make me a bad parent? Is it the right thing to do? Need we ask anyone to tell us these things?

Minha vida, O meu caminho

Após quase oito anos no setor bancário, Eu finalmente separou-se. Durante os três últimos desses anos, Eu estava dizendo às pessoas que eu estava saindo. E eu acho que as pessoas tinham parado de tomar-me a sério. Minha esposa certamente fez, e ele veio como um grande choque para ela. Mas, apesar de sua oposição estudado, Eu consegui retirá-lo. De fato, não é apenas apostando que deixei, Eu, na verdade aposentado. A maioria dos meus amigos recebeu a notícia de minha aposentadoria com uma mistura de inveja e descrença. O poder de surpreender — é bom ainda tem esse poder.

Por que é uma surpresa realmente? Por que alguém iria pensar que ele é louco para andar longe de uma carreira como a minha? Insanidade é fazer a mesma coisa repetidamente e esperar resultados diferentes. Milhões de pessoas fazer a mesma coisas insanamente miserável mais e mais, cada um deles querendo nada mais do que parar de fazer isso, mesmo planejando isso apenas para adiar seus planos por um motivo bobo ou de outra. Eu acho que a força do hábito de fazer as coisas miserável é maior que o medo da mudança. Existe um abismo entre o que as pessoas dizem que são os seus planos eo que eles acabam fazendo, que é o tema desse filme perturbador Revolutionary Road. Este abismo é extremamente estreito no meu caso. Parti com um monte de pequenos alvos — para ajudar algumas pessoas, para fazer uma modesta fortuna, para proporcionar conforto e segurança razoável para aqueles perto. Eu consegui-los, e agora é hora de parar. O problema com todas essas metas é que uma vez que você chegar perto deles, eles olham mundano, e nada é suficiente para a maioria das pessoas. Não é para mim que — Eu sempre fui imprudente o suficiente para ficar com os meus planos.

Um dos primeiros exemplos de uma ação tão temerária veio durante meus anos de graduação em IIT Madras. Eu era muito inteligente academicamente, especialmente em física. Mas eu não era muito bom em lembrar detalhes como os nomes dos teoremas. Uma vez, este professor excêntrico de mina em IIT me perguntou o nome de um teorema específico relacionado a integral de linha do campo elétrico em torno de um ponto ea carga contida. Acho que a resposta era teorema de Green, enquanto o seu equivalente em 3-D (integral de superfície) é chamado de teorema de Gauss ou algo. (Desculpe, meus Wikipedia e Google pesquisas não trazer nada de definitivo sobre isso.) Eu respondi o teorema de Gauss. O professor olhou para mim por um longo momento com desprezo nos olhos dele e disse: (em Tamil) algo que eu precisava para obter uma surra com seus chinelos. Lembro-me ainda de pé ali na minha Khakki oficina traje e ouvi-lo, com o rosto ardendo de vergonha e raiva impotente. E, embora a física era meu assunto favorito (meu primeiro amor, de fato, como eu continuo dizendo, principalmente para irritar minha esposa), Eu não voltar a qualquer de suas palestras depois que. Eu acho que mesmo nessa idade nova, Eu tive esse nível preocupante de imprudência em mim. Agora eu sei por que. Está é a convicção arraigada de que nada realmente importa. Nada nunca fez, Meursault como o Estranho aponta em sua última luta da eloqüência.

Deixei bancário para uma variedade de razões; remuneração não era um deles, mas talvez tenha sido imprudência. Eu tive algumas filosóficas dúvidas sobre o acerto de que eu estava fazendo em um banco. Eu sofria de uma consciência perturbada. Razões filosóficas são animais estranhos — eles levam a ações concretas, queridos, muitas vezes perturbadoras. Albert Camus (em sua coleção O Mito de Sísifo) advertido de que ao falar sobre o absurdo da vida. Robert Pirsig em seu epílogo para Zen ea Arte da Manutenção de Motocicleta também falou sobre quando essas reflexões se tornou psiquiatricamente perigoso. Michael Sandel é um outro homem sábio que, em suas palestras sobre famosos Justiça: Qual é a coisa certa a fazer? apontou que a filosofia pode muitas vezes colorir sua perspectiva permanentemente — você não pode desaprender para voltar, você não pode pensar de outro modo um pensamento para se tornar normal novamente.

Filosofia e imprudência de lado, a outra principal razão para deixar o trabalho era tédio. O trabalho ficou tão chato colossally. Olhando pela minha janela para o tráfego 13 andares abaixo era infinitamente mais gratificante do que olhar para o trabalho de meus três telas de computador. E então eu passei metade do meu tempo olhando pela janela. Claro, meu desempenho diminuiu como resultado. Eu acho que scuttling o desempenho é a única maneira de fazer-se de forma realista deixar um trabalho high-paying. Há momentos em que você tem que queimar as pontes atrás de você. Olhando para trás agora, Eu realmente não posso entender por que eu estava tão entediado. Eu era um desenvolvedor quantitativo eo trabalho envolveu o desenvolvimento de relatórios e ferramentas. Codificação é o que fazer para se divertir em casa. Isso e escrita, claro. Pode ser o tédio veio do fato de que não havia nenhum conteúdo intelectual sério nele. Não havia nada nas tarefas, nem na companhia dos multidão de colegas ambiciosos. Caminhando para o trabalho todas as manhãs, olhando para todas as pessoas bem pagos andando com demeanors impressionantes de fazer algo importante, Eu costumava me sentir quase triste. Quão importante poderia seu feijão-counting jamais ser?

Então, novamente, quão importante isso pode ser blogging? Voltamos para a tirada de Meursault – nada importava. Talvez eu estava errado em ter jogado fora, como todos eles ficam me dizendo. Talvez os colegas importantes para o futuro eram realmente importante, e eu era o único no erro de ter se aposentado. Isso também pouco importa; que também tem pouca importância, como Meursault e meu alter ego iria vê-lo.

Qual o próximo passo é a pergunta que continua a subir. Estou tentado a dar a mesma resposta tongue-in-cheek como Larry Darrell em O Fio da Navalha — Pão! Meu tipo de malandragem envolveria um monte de pensamento, um lote de estudar, e trabalho duro. Há tanta coisa para saber, e tão pouco tempo para aprender.

Foto por kenteegardin

Rules of Conflicts

In this last post in the rules of the game series, we look at the creative use of the rules in a couple of situations. Rules can be used to create productive and predictable conflicts. One such conflict is in law enforcement, where cops hate defense attorneys — if we are to believe Michael Connelly’s depiction of how things work at LAPD. It is not as if they are really working against each other, although it may look that way. Both of them are working toward implementing a set of rules that will lead to justice for all, while avoiding power concentration and corruption. The best way of doing it happens to be by creating a perpetual conflict, which also happens to be fodder for Connelly’s work.

Another conflict of this kind can be seen in a bank, between the risk taking arm (traders in the front office) and the risk controlling teams (market and credit risk managers in the middle office). The incessant strife between them, de fato, ends up implementing the risk appetite of the bank as decided by the senior management. When the conflict is missing, problems can arise. For a trader, performance is quantified in terms of the profit (and to a lesser degree, its volatility) generated by him. This scheme seems to align the trader’s interests with those of the bank, thus generating a positive feedback loop. As any electrical engineer will tell you, positive feedback leads to instability, while negative feedback (conflict driven modes) leads to stable configurations. The positive feedback results in rogue traders engaging in huge unauthorized trades leading to enormous damages or actual collapses like the Bearings bank in 1995.

We can find other instances of reinforcing feedback generating explosive situations in upper management of large corporates. The high level managers, being board members in multiple corporate entities, keep supporting each other’s insane salary expectations, thus creating an unhealthy positive feedback. If the shareholders, por outro lado, decided the salary packages, their own self-interest of minimizing expenses and increasing the dividend (and the implicit conflict) would have generated a more moderate equilibrium.

The rule of conflict is at work at much larger scales as well. In a democracy, political parties often assume conflicting world views and agendas. Their conflict, ratified through the electoral process, ends up reflecting the median popular view, which is the way it should be. It is when their conflicting views become so hopelessly polarized (as they seem to be in the US politics these days) that we need to worry. Even more of a worry would be when one side of the conflict disappears or gets so thoroughly beaten. In an earlier post, I lamented about just that kind of one-sidedness in the idealogical struggle between capitalism and socialism.

Conflicts are not limited to such large settings or to our corporate life and detective stories. The most common conflict is in the work-life balance that all of us struggle with. The issue is simple — we need to work to make a living, and work harder and longer to make a better living. In order to give the best to our loved ones, we put so much into our work that we end up sacrificing our time with the very loved ones we are supposedly working for. Claro, there is a bit of hypocrisy when most workaholics choose work over life — they do it, not so much for their loved ones, but for a glorification, a justification or a validation of their existence. It is an unknown and unseen angst that is driving them. Getting the elusive work-live conflict right often necessitates an appreciation of that angst, and unconventional choices. Em momentos, in order to win, you have to break the rules of the game.

Vida: Oriente vs. Oeste

In the last post we examined life from the perspective of evolutionary biology. Now let’s move on to philosophy. There is an important philosophical difference between the perspectives on life in the East and the West. These views form the backdrop to the rules of life, which shape everything from our familial and societal patterns to our hopes and prayers. How these rules (which depend on where you come from) do it is not merely interesting, but necessary to appreciate in today’s world of global interactions. In one of his lectures, Yale philosophy professor Shelly Kagan made a remark that the basic stance vis-a-vis vida (and death) in the West is that life is a good thing to have; it is a gift. Our job is to fill it with as much happiness, accomplishments and glory as possible.

The Eastern view is just the opposite – the first of the four noble truths of Buddhism is that life is suffering. Hinduismo, which gave birth to Buddhism, says things like this world and the cycle of life are very difficult (Iha Samsare Bahu Dustare em Bhaja Govindam, por exemplo). Our job is to ensure that we don’t get too attached to the illusory things that life has to offer, including happiness. When we pray for our dead, we pray that they be relieved of the cycle of life and death. Deliverance is non-existence.

Claro, I am vastly oversimplifying. (Let me rephrase that — this oversimplified version is all I know. I am very ignorant, but I plan to do something about it very soon.) Viewed in the light of these divergent stances against the conundrum of life, we see why westerners place such a premium on personal happiness and glory, while their eastern counterparts tend to be fatalistic and harp on the virtues of self sacrifice and lack of ambition (or its first cousin, ganância).

To an ambitious westerner, any chance at an incremental increase in personal happiness (through a divorce and remarriage, por exemplo) is too good an opportunity to pass up. On the other side of the globe, to one brought up in the Hindu way of life, happiness is just another illusory manifestation not to be tempted by. Those caught in between these two sets of rules of life may find it all very confusing and ultimately frustrating. That too is a macro level pattern regimented by the micro level rules of the game.

Jogo da Vida

Começamos esta série com xadrez e, em seguida, mudou-se para a topologia sócio-político de uma paisagem típica corporativa. Ambos poderiam ser entendido, em algum sentido vago e generoso, em termos de um simples conjunto de regras. Se eu consegui convencê-lo de que satement, é graças a minha escrita proezas, em vez da coesão lógica do meu argumento. Estou prestes a estender essa lógica instável para o jogo da vida; e você deve ser cauteloso. Mas pelo menos posso prometer-lhe uma boa leitura.

Ok, com essa reserva declarada e fora do caminho, vamos abordar o problema sistematicamente. Minha tese nesta série de mensagens é que os padrões de nível macro de um sistema dinâmico (como um jogo de xadrez, escritório corporativo, ou a própria vida) pode ser tipo do previsto ou entendido em termos das regras de engajamento nele. no xadrez, vimos que o padrão geral de qualquer jogo (viz. início estruturado, bagunçado meio do jogo, fim de jogo limpo, com uma vitória, perder ou empatar) é o que as regras prescrevem. Neste último post, nós estamos indo para lidar com a vida. Em uma analogia trivial ao xadrez, podemos descrever o padrão como este: todos nós nascemos em algum lugar e algum ponto no tempo, nós fazemos o nosso jogo por alguns anos, e nós despedir-se com diferentes quantidade de graça, independentemente de quão alto nós subir e quão baixo que afundar durante os anos. Mas esse padrão, embora mais rigorosamente seguido do que o nosso padrão de xadrez, é um pouco trivial. Quais são as principais características ou padrões de vida humana que estamos tentando entender? A vida humana é tão complexa, com tantos aspectos da existência e dimensões de interações entre eles que só podemos esperar compreender uma projecção limitada de um par de seus padrões. Vamos escolher o padrão de unidades familiares primeira.

O conjunto de regras básicas da vida humana vem de biologia evolutiva. Como um homem famoso colocá-lo, nada na biologia (ou a própria vida, I would think) faz sentido exceto à luz da evolução. Por outro lado, tudo, desde a política de gênero para as unidades familiares nucleares faz todo o sentido, como as expressões dos comandos genéticos codificado em nosso DNA, Embora possamos estar esticar a hipótese para encaixar os fatos (que é sempre possível fazer) quando vê-lo dessa maneira. Vamos olhar para os padrões de relações de gênero nas unidades familiares, com o preâmbulo que eu sou um crente total na igualdade de género, finalmente, minha própria marca dele.

biologia evolutiva nos diz que a instrução codificado nos nossos genes é muito simples — apenas viver um pouco mais, que está na raiz dos nossos instintos de auto-preservação e reprodução. No final, esta instrução se expressa como antipatia escondido de um homem em direção a monogamia ea defesa ostensiva de uma mulher de suas virtudes. Embora este argumento frequentemente repetido pode ser visto como uma fraca tentativa de justificar o comportamento errante e mulherengo do homem, ele tem a simplicidade do seu lado. Faz sentido. The argument goes like this: a fim de assegurar a sobrevivência dos seus genes, um homem tem para acasalar com o maior número de parceiros possível, O mais frequente possível. Por outro lado, dado o longo período de gestação, uma mulher otimiza as chances de sobrevivência de seus genes, escolhendo o melhor espécime possíveis como seu companheiro e amarrá-lo para baixo por atenção e para uso futuro. Monogamia, na verdade é virtuoso partir de sua perspectiva, mas muito cruel uma regra em vista de um homem. Na medida em que a maioria do mundo adoptou agora a monogamia e o sistema de família nuclear associada como seus padrões preferenciais, podemos dizer que as mulheres ganharam a guerra dos sexos. Por que mais eu sinto medo de postar este artigo? sexo frágil, de fato!

A biologia evolutiva é apenas uma maneira de olhar a vida. Outra interessante conjunto de regras vem de filosofia espiritual e religiosa, que veremos no próximo post.

Art of War Corporativo

Um exemplo mais complexo de como as regras moldar os padrões no chão é o jogo corporativo. A metáfora usual é a de retratar os funcionários como engrenagens na roda implacável da máquina corporativa, ou peões tão impotente em jogos de poder de outras pessoas. Mas também podemos pensar em todos eles jogadores como ativos com recursos próprios envolvidos em pequenos jogos de poder da sua própria. Então, eles acabam com uma vida corporativa completa da política do escritório, fumaça e espelhos, mesquinharia e traição. Quando tomam estas coisas pessoalmente e amar ou odiar seus colegas de trabalho, eles fazem-se uma injustiça, Eu acho que. Eles devem perceber que todas estas características são o resultado final das regras pelo qual eles jogam o jogo corporativo. A política do escritório que vemos em qualquer espaço de trabalho moderno é a topologia esperado das regras do jogo.

Quais são essas regras famosos I manter harping? Seria de esperar que eles sejam muito mais complexos que os de um simples jogo de xadrez, dado que você tem um grande número de jogadores com agendas diferentes. Mas eu sou um grande fã da simplicidade e da Navalha de Occam como qualquer verdadeiro cientista deve ser (que é um oblíquo e afirmação de um desejo que eu ainda sou um, claro), e eu acredito que as regras do jogo corporativo são surpreendentemente simples. As far as I can see, Há apenas dois — uma delas é que as oportunidades de progressão na carreira são de uma pirâmide forma na medida em que se torna progressivamente mais difícil de bolha para o topo. A outra regra é que em todos os níveis, há um pote de recompensas (como o pool de bônus, por exemplo) que precisa ser compartilhado entre os colegas de trabalho. A partir dessas regras, você pode ver facilmente que se faz melhor quando os outros fazem mal. Backstabbing segue naturalmente.

A fim de ser um jogador perfeito neste jogo, você tem que fazer mais do que backstabbing. Você tem que desenvolver uma honesto-a-john fé em sua superioridade, bem. Hipocrisia não funciona. Tenho um colega que insiste que ele poderia realizar programação a nível de montagem antes de deixar o jardim de infância. Eu não acho que ele está mentindo per-se; Ele honestamente acredita que ele poderia, tanto quanto eu posso dizer. Agora, este colega meu é muito inteligente. Contudo, depois de se formar a partir de um IIT e trabalhando no CERN, Estou acostumado a inteligências e gênios superiores. E ele não é. Mas isso não importa; sua condenação eterna de sua própria superioridade vai vencer as dificuldades tais obstáculos menores como testes de realidade. Eu vejo opções de ações em seu futuro. Se ele esfaqueia alguém na parte de trás, ele faz isso sem culpa, quase inocentemente. É a esse nível de virtuosismo que você tem que aspiram, se você quer sobressair no jogo corporativo.

Quase todos os recursos do escritório corporativo moderno, da política à promoções, e traição aos bônus, é um resultado das regras simples do jogo que nós jogamos-lo. (Desculpe a fraca tentativa de a primeira letra rima.) A próxima expansão desta ideia, claro, é o jogo da vida. Todos nós queremos ganhar, mas em última análise, é um jogo onde todos vamos perder, porque o jogo da vida é também o jogo da morte.

Regras do Jogo

Richard FeynmanRichard Feynman used to employ the game of chess as a metaphor for the pursuit of physics. Physicists are like uninitiated spectators at a chess match, and they are trying figure out the rules of the game. (He also used sex, but that’s another story.) They observe the moves and try figure out the rules that govern them. Most of the easy ones are soon discovered, but the infrequent and complex ones (such as castling, to use Feynman’s example) are harder to decipher. The chess board is the universe and the players are presumably the Gods. So when Albert Einstein’s Albert Einstein said that he wanted to know God’s thoughts, and that the rest were details, he probably meant he wanted to know the rules and the strategies based on them. Not the actual pattern on the board at any point in time, which was a mere detail.

A remarkable Indian writer and thinker, O. V. Vijayan, also used the metaphor of a chess game to describe the armed strife between India and her sibling neighbor. He said that our too countries were mere pawns in a grand chess game between giant players of the cold war. The players have stopped playing at some point, but the pawns still fight on. What made it eerie (in a Dr. Strangelove sort of way) is the fact that the pawns had huge armies and nuclear weapons. When I first read this article by O. V. Vijayan, his clarity of perspective impressed me tremendously because I knew how difficult it was to see these things even-handedly without the advantage of being outside the country — the media and their public relations tricks make it very difficult, if not impossible. It is all very obvious from the outside, but it takes a genius to see it from within. But O. V. Vijayan’s genius had impressed me even before that, and I have a short story e um thought snippet by him translated and posted on this blog.

Chess is a good metaphor for almost everything in life, with its clear and unbending rules. But it is not the rules themselves that I want to focus on; it is the topology or the pattern that the rules generate. Even before we start a game, we know that there will be an outcome — it is going to be a win, loss or a draw. 1-0, 0-1 ou 0.5-0.5. How the game will evolve and who will win is all unknown, but that it will evolve from an opening of four neat rows through a messy mid game and a clear endgame is pretty much given. The topology is pre-ordained by the rules of the game.

A similar set of rules and a consequent topology exists in the corporate world as well. Esse é o tema do próximo post.