Tag Archives: Hinduismo

Bhagavad Gita

Entre os textos religiosos do Hinduísmo, the Bhagavad Gita is the most revered one. Literalmente apresentada como a Palavra de Deus, the Bhagavad Gita enjoys a stature similar to the Bible or the Koran. Como todas as escrituras, the Bhagavad Gita also can be read, não apenas como um ato de devoção, mas como um discurso filosófico bem. Ele apresenta uma postura filosófica na compreensão do mundo, que formas (para aqueles da Índia) os pressupostos básicos e fundamentais em lidar com a vida, e a realidade irreconhecível em torno deles. De fato, é mais do que apenas suposições e hipóteses; que é a base do senso comum, transmitida de geração em geração. É a base de intelecto, que formam a compreensão instintiva e emocional da realidade que é assimilado antes de lógica e não pode ser tocado ou analisados ​​com a racionalidade. Eles são o mito de que Trump logos de cada vez.

Continue lendo

Orgulho e Preconceito

Swami Vivekananda deu alguns discursos no Parlamento Mundial das Religiões em 1893. Esses discursos ainda encher-nos índios com uma boa dose de orgulho. Eu consegui localizar uma gravação antiga deles na Internet e limpa-lo um pouco. Aqui é para o seu prazer de audição.

O cético em mim, no entanto, não vai deixá-lo ir sem um auto-exame crítico. O que exatamente eu estou orgulhoso de? Gostaria de dizer que seus pensamentos profundos na filosofia hindu e sua lúcida expor sobre ele. Mas o fato da questão é, Fiquei orgulhoso mesmo antes de ouvir ou ler os discursos. Se você é orgulhoso, bem, deixe-me perguntar-lhe isto: que você realmente ouvir o discurso inteiro? Se você não fez, o que você está realmente orgulhoso de? A propósito, Não tenho a última parte do discurso (seu papel no hinduísmo) postado abaixo, para seu prazer da leitura. De uma forma ou de outra, você vai pagar o preço por seu orgulho!

Swami VivekanandaEu suspeito que meu orgulho é um retrocesso para a era colonial, ea reverência da língua estrangeira associados que de alguma forma assimilado de nossos pais ou avós. Pode ser que é um pouco mais do que isso — pode ser é que Swami Vivekananda conseguiu impressionar o heck fora de um monte deles, os senhores coloniais, que é algo que todos nós queremos fazer em algum nível profundo. Pode ser que é apenas sua dicção forte e fluente, e seu domínio da língua.

Se você ver um cachorro andando sobre as patas traseiras, não é tanto que faz bem, quanto que o faz em toda. É apropriado para outros cães para se sentir orgulhoso de um cão que pode demonstrar essa característica alienígena? Estamos fazendo algo semelhante, quando admiramos comando do outro desta língua estrangeira? Após a publicação de uma coluna na Lendo nas entrelinhas em um jornal local, Eu recebi um telefonema de uma fã. Vamos deixar de lado o sentimento de bizarrice na obtenção de um telefonema de um estranho em seu telefone celular; o cavalheiro (que parecia uma espécie de velho) estava satisfeito com o que eu escrevi e como eu o escrevi. Agora, pensando sobre essa chamada, Eu sinto como se a sua admiração também foi, talvez, um remanescente de nosso passado colonial compartilhada (embora, no meu caso, o passado foi uma ou duas gerações removido). Pode ser que ele sentiu que eu tinha finalmente aprendido o suficiente Inglês para fazer um funcionário eficiente. Este cão tinha finalmente dominado a arte de andar sobre as patas traseiras.

Seja qual for a sua origem, este orgulho meu tem um outro lado que. É a ascensão da conversa TV evangélica mostra na Índia, e os nirvanas instantâneas oferecidas por novos gurus. Um tempo atrás, Eu publiquei um aviso pedaço do perigos representados pelos gurus modernos. Embora admitindo que eu possa ter preconceito contra eles, Gostaria de chamar a atenção para este vídeo onde um guru está demonstrando os poderes mágicos de uma mistura antiga recém re-descoberto, fabricado e vendido por seu sobrinho. Um crente vê neste espetáculo um verdadeiro milagre, ou, pelo menos, um bom, embora escondido, razão para o guru de estar fazendo esta demonstração. Eu só vejo uma razão ruim. Casos como este vídeo (eo show aconteceu de eu ter pego) encha-me com o oposto do orgulho — vergonha. Mas, então,, o que eu sei — Pode ser cem anos a partir de agora, muito tempo depois que eu estiver morto e esquecido, pelo menos alguns destes gurus modernos podem ser reverenciado da mesma forma Swami Vivekananda é agora; embora eu não contaria com isso. Em todo o caso, Tenho a certeza de que seus descendentes serão muito mais rica do que a minha.

http://www.youtube.com/watch?v = Quf3Ynu-QQ4 (Este vídeo onde o guru se realizou a demonstração parece ter sido removido por razões óbvias.)

Aqui está outro tal demonstração em um contexto diferente, onde ninguém terá problema manchar o truque.

Esses vídeos e sua mensagem pode ter ofendido alguns dos meus leitores, e, por essa, Peço desculpas. Quando as pessoas investem seu tempo e energia em esforços espirituais, eles não querem ser informados sobre os aspectos negativos de seu caminho, porque vendo algo negativo em sua busca é, na sua opinião, tantamout a questionar sua inteligência. Esta resistência Peculier a verdade também fica com maestria e cinicamente explorada pelos movimentos espirituais da nova era. Eu só quero dizer que eu quero dizer bem, para alguns dos afetados são pessoas muito queridas para mim.

E, como prometido anteriormente, aqui está o artigo sobre o hinduísmo por Swami Vivekananda que ele leu na conferência de Chicago.

Foto por Premnath Thirumalaisamy cc

Uncertainly Principle

The uncertainty principle is the second thing in physics that has captured the public imagination. (The first one is E=mc^2.) It says something seemingly straightforward — you can measure two complimentary properties of a system only to a certain precision. Por exemplo, if you try to figure out where an electron is (measure its position, que é) more and more precisely, its speed becomes progressively more uncertain (ou, the momentum measurement becomes imprecise).

Where does this principle come from? Before we can ask that question, we have to examine what the principle really says. Here are a few possible interpretations:

  1. Position and momentum of a particle are intrinsically interconnected. As we measure the momentum more accurately, the particle kind of “spreads out,” as George Gamow’s character, Senhor. Tompkins, puts it. Em outras palavras, it is just one of those things; the way the world works.
  2. When we measure the position, we disturb the momentum. Our measurement probes are “too fat,” por assim dizer. As we increase the position accuracy (by shining light of shorter wavelengths, por exemplo), we disturb the momentum more and more (because shorter wavelength light has higher energy/momentum).
  3. Closely related to this interpretation is a view that the uncertainty principle is a perceptual limit.
  4. We can also think of the uncertainly principle as a cognitive limit if we consider that a future theory might surpass such limits.

Tudo certo, the last two interpretations are my own, so we won’t discuss them in detail here.

The first view is currently popular and is related to the so-called Copenhagen interpretation of quantum mechanics. It is kind of like the closed statements of Hinduism — “Such is the nature of the Absolute,” por exemplo. Accurate, pode ser. But of little practical use. Let’s ignore it for it is not too open to discussions.

The second interpretation is generally understood as an experimental difficulty. But if the notion of the experimental setup is expanded to include the inevitable human observer, we arrive at the third view of perceptual limitation. Neste ponto de vista, it is actually possible to “derive” the uncertainty principle.

Let’s assume that we are using a beam of light of wavelength \lambda to observe the particle. The precision in the position we can hope to achieve is of the order of \lambda. Em outras palavras, \Delta x \approx \lambda. In quantum mechanics, the momentum of each photon in the light beam is inversely proportional to the wavelength. At least one photon is reflected by the particle so that we can see it. Assim, by the classical conservation law, the momentum of the particle has to change by at least \Delta p \approx constant\lambda from what it was before the measurement. Assim, through perceptual arguments, we get something similar to the Heisenberg uncertainty principle \Delta x \Delta p = constant.

We can make this argument more rigorous, and get an estimate of the value of the constant. The resolution of a microscope is given by the empirical formula 0.61\lambda/NA, where NA is the numerical aperture, which has a maximum value of one. Assim, the best spatial resolution is 0.61\lambda. Each photon in the light beam has a momentum 2\pi\hbar/\lambda, which is the uncertainty in the particle momentum. So we get \Delta x \Delta p = (0.61\lambda)(2\pi\hbar) \approx 4\hbar, approximately an order of magnitude bigger than the quantum mechanical limit. Through more rigorous statistical arguments, related to the spatial resolution and the expected momentum transferred, it may possible to derive the Heisenberg uncertainty principle through this line of reasoning.

If we consider the philosophical view that our reality is a cognitive model of our perceptual stimuli (which is the only view that makes sense to me), my fourth interpretation of the uncertainty principle being a cognitive limitation also holds a bit of water.

Reference

The latter part of this post is an excerpt from my book, O Unreal Universo.