Tag Archives: capitalism

Income Inequality

I read on BBC yesterday that the richest 62 people in the world now earn as much as the poorest half, which would be about 3.5 billion people! Although there is some confusion about the methodology, it is clear that the wealth and income have been getting more and more polarized. The rich are certainly getting richer. Income inequality is more acute than ever.

Continue lendo

Capitalismo vs. Corporativismo

During a recent conversation with him, this client of mine used the word “corporatist” to describe his country (US of A). He said twenty years ago, they were a capitalist country, not a corporatist one. Agora, this is a kind of fine distinction that I’d love to talk about. Para mim, it was a surprising and illuminating distinction, one that cleanly dissects and clears up the economic confusion of our times. And I had to write about it.

Everybody knows what capitalism is. It is the market-driven, private-ownership-centric economic system where selfish motives bring about collective happiness, according to Adam Smith. This way of life has been accepted as the “good” system, and stands in stark contrast with the collective, community-owned economic system with notions of robust social redistribution of wealth — communism or socialism. Although the latter does sound like a better and more moral ideal, at least in principle, it never did pan out that way.

Corporatism is not as well-known as capitalism. Finalmente, I didn’t know that such a word existed. But the moment I heard it, I could guess what it meant. It points to the end product of unbridled capitalism, one with no government control, or even moral hangups. Na minha opinião, it happens this way — once you have private ownership, some people get richer than the rest. There is nothing wrong with that; de fato, it is a mathematical certainty. Mas, então,, money gives those lucky guys more power, and access to ways in which they can make more money. Por exemplo, they can influence the political system, and through it the fiscal and taxation policies. Também, private ownerships can be pooled together to form economic organisms that can sustain themselves. These organisms are, claro, corporate bodies. They exert power through their collective wealth to an even greater extent than the good old capitalists.

A curious thing happens when capitalists (simple rich folks, que é) get sidelined by corporations. The money and power get separated in a strange way. The board members and CEOs who control the corporate bodies end up wielding power, instead of the owners. They are entrusted with the task of guarding and growing the capital. They find novel strategies to do this, like taking advantage of tax loopholes and tax havens, and engaging in unsavory business practices (like mixing any damn white powder with baby food, por exemplo). As long as they succeed in their remit of growing the capital, they seem to absolve themselves of the moral implications of their actions. For their services, they pay themselves handsome rewards. Note that the corporatists (the operators) pay themselves; it is not as though the capitalists (the owners) pay them, wherein lies the separation of power and money.

When you bring in the financial system whose primary function is capital management, the separation of power, money and morality takes on a new dimension. So banks, with no intrinsic economic value of their own, turn out to be too big to fail, and the system rearranges itself in such way that even when they do fail, it is the people farthest removed from power and money are the ones who pay for it. The high-flying bankers and senior managers get golden parachutes because they have both power and money. The trickle-down economy envisioned in pure capitalism (an optimistic vision to begin with) only trickles through channels drawn by the corporate overlords.

These unfair trickles did not bother us (the middle class) for a long time because they were not all trickling away from us. Now that they have started to, we are beginning to sit up and protest. I sympathize with my American client. Now that the corporatists are after our little trickles, we hate corporatism.

Era seu, Agora Mina

I feel I have lived through an era of great changes. The pace of change can seem accelerated if you travel or emigrate because various geographical regions act as different slices in time. Eu tive o benefício (ou o azar) de várias emigrações. Com isso, juntamente com a minha idade avançada, Eu sinto como se eu já vi um monte. A maioria do que eu tenho visto me enche de um pressentimento de melancolia e desgraça. Talvez seja apenas o pessimismo característico de uma mente excessivamente cínico, ou talvez seja a verdadeira decadência de nossos padrões éticos globais.

No lado positivo, o ritmo da mudança é realmente rápido e furioso. Este é o tipo de mudança que você gosta — você sabe, vinil para enrolar a fita de cassete para MP3 para tipo iPod. Ou a linha de terra para satélite para a célula para Skype Twitter espécie. Contudo, juntamente com esta faixa positiva e óbvio de mudanças, há uma pista lenta e insidiosamente preocupante subindo em nós. É N Este contexto que eu quero reutilizar a alegoria mais utilizado do sapo-em-um-pot.

Se você colocar um sapo em água quente, ele vai saltar para fora da panela e salvar a sua pele. Mas se você colocar o sapo em água fria, e lentamente aquecer a panela, ele não vai sentir a mudança e deixe ferver até a morte. A lentidão da mudança é mortal. Então deixe-me ser o sapo com delírios de grandeza; permitam-me destacar as mudanças insalubres acumulando em torno de nós. Entende, juntamente com o milagre tecnológico que estamos vivendo, há um pesadelo econômica ou financeira que está se espalhando seus tentáculos sobre todos os aspectos da nossa existência social e política, transfixando tudo no lugar em seu aperto de vice-like. Lentamente. Muito lentamente. Devido a isso espera invisível em nós, com todos os iPod que comprar, nós (a classe média) levar um par de dólares desde o pobre e dá-lo ao muito rico. Nós não vejo isso dessa forma porque alguns de nós fazer alguns centavos no processo. O franqueado loja da Apple faz alguns centavos, o empregado-of-the-mês ganha um aumento de token, um desenvolvedor de maçã pode desfrutar de umas férias agradáveis, ou um alto executivo pode receber um novo jato, a economia do país vai acima de um entalhe, NASDAQ (e assim por pensões de todos) sobe uma pequena fração — todos estão felizes, direito?

Bem, existe esta pequena questão do material de embalagem que pode ter matado parte de uma árvore em algum lugar, no Brasil, talvez, onde as pessoas não sabem que as árvores pertencem a eles. Pode ser um pouco de poluição escapou para o ar ou um rio na China, onde os moradores não perceberam que esses recursos são as suas heranças. Pode ser algum lixo moderadamente tóxico acabou em um aterro sanitário em África em algum lugar onde eles não compreendi bem o conceito de propriedade da terra. Ele pode ter custado um desenvolvedor em Bangalore ou uma menina de call-center em Manilla uma ou duas horas mais do que deveria, porque eles não sabem que o tempo é um recurso de baixo comprou e vendeu alta em mercados que não ver ou saber de. É a partir desses lugares distantes e pessoas fantasmas que pegar um par de dólares e passar para os cofres corporativos igualmente distantes e os mercados de ações. Tomamos o que não é nossa dos proprietários desconhecidos para alimentar a avareza dos jogadores invisíveis. E, como Milo Minder Binder diria, todo mundo tem uma quota. Este é o capitalismo moderno da era corporativa, onde nós nos tornamos pequenos engrenagens em uma roda gigante inexoravelmente rolando a nenhum lugar em particular, mas obliterando muito no processo.

O problema com o capitalismo como ideologia econômica é que é praticamente sem oposição agora. Somente através de um conflito de ideologia pode um saldo de algum tipo emergem. Cada conflito, por definição, requer adversários, pelo menos dois deles. E o mesmo acontece com uma luta ideológica. A luta é entre o capitalismo eo comunismo (ou o socialismo, Eu não tenho certeza da diferença). O ex diz que devemos demitir os mercados e deixar a ganância eo egoísmo o seu curso. Bem, se você não gosta do som “ganância e egoísmo,” tentar “ambição e unidade.” Associá-la com palavras como liberdade e democracia, e esta “Laissez-faire” ideologia a la Adam Smith é uma fórmula vencedora.

De pé no outro canto é a ideologia adversária, que diz que devemos controlar o fluxo de dinheiro e recursos, e espalhar a felicidade. Infelizmente essa ideologia foi associado com palavras desagradáveis ​​como o totalitarismo, burocracia, assassinato em massa, campos de morte do Camboja etc. Não é de admirar que perdeu, guardar para esta potência econômica chamada China. Mas a vitória da China não serve de consolo para o campo socialista porque a China fez isso redefinindo o socialismo ou o comunismo significa essencialmente o capitalismo. Assim, a vitória do capitalismo é, para todos os efeitos, um slam dunk. Para os vencedores pertencem a espólios da história. E assim, a ideologia sócio-político-econômica do capitalismo beneficia a associação melífluo de palavras agradáveis ​​como liberdade, igualdade de oportunidades, democracia etc., enquanto o comunismo é uma experiência fracassada relegado para o “also-ran” categoria de ideologias como o fascismo, Nazismo e outras coisas do mal. Assim, a batalha entre o capitalismo e os movimentos ocupar-Wall Street é pateticamente assimétrica.

A batalha entre dois oponentes bem combinado é bom para assistir; dizer, um jogo entre Djokovic e Federer. Por outro lado, uma “jogo” entre Federer e me seria emocionante só para mim — se isso. Se você estiver em entretenimento violento, uma luta de boxe entre dois pesos pesados ​​seria algo interessante de se assistir. mas um boxeador musculoso batendo The Living Daylights fora de um e dois anos de idade, só vos encha de revolta e desgosto (que é semelhante à sensação que tive durante a Guerra do Golfo '91).

Não se preocupe, Eu não estou a ponto de defender ou tentar reanimar o socialismo neste blog, porque eu não acho que uma economia centralmente controlada funciona tanto. O que me preocupa é o fato de que o capitalismo não tem um adversário digno agora. Ele não deve se preocupar você também? Capitalismo corporativo está batendo The Living Daylights fora de tudo o que se poderia chamar de decente e humana. Devemos ignorar e aprender a amar a nossa indignação, apenas porque temos um share?

Foto por Byzantine_K cc