Arquivo da categoria: Livros

As resenhas de livros do tipo Unreal. Aqui, Eu discutir os livros que li, e compartilhar minhas impressões com os meus leitores. Eu li sua maioria não-ficção ou clássicos. E quando eu digo livros lidos, Quero dizer, ouvi-los em audiobook (sempre integral) forma. Audiobooks têm a capacidade de fazer o seu trajeto ou treino de ginástica algo que você olha para a frente, em vez de medo. Quando avaliação, eles apresentam uma desvantagem embora, que não pode ser previsto. Assim, cita-los tornar-se parafraseando, nomes se com erros ortográficos e assim por diante. Please excuse such shortcomings…

Note-se que estes não são opiniões reais. A maioria destes livros são tão bem conhecido que eles são realmente além de comentários. Então, os comentários Unreal são mais como as minhas impressões e pensamentos, muitas vezes com spoilers.

Validação e processamento

Uma vez que um comércio está reservado para o banco de dados de plataforma de negociação, desencadeia todo um coro de validação e processamento diário. O processo de validação é uma dança para frente e para trás entre as mesas de negociação em Front Office e as unidades de controle no Office Oriente, tudo mediado pela plataforma de negociação. Os comerciantes podem inserir um comércio em caráter experimental. Uma vez que eles estão convencidos de que é um comércio viável, eles empurrá-lo a um estado confirmado, que vai ser pego pela unidade de controlo de tesouraria. Se os comerciantes decidir descartar o comércio, o comércio acaba na pilha de lixo (mas nunca excluído permanentemente). A unidade de controle normalmente trabalha em um olho de quatro, modo de dupla validação. Eles verificar as entradas de comércio, e limites de controle, tais como o número de negócios permitido para um determinado produto. Se o comércio passa seus testes, eles definir seu status para um estado validado, o que desencadeia um segundo nível de verificação. Se o comércio não seja nível, eles são empurrados para trás em um estado que permite que os comerciantes, quer alterá-lo ou rejeitá-lo.

Trade validation

Uma vez que o comércio está totalmente validado, a parte de processamento começa. Trata-se de várias equipes e múltiplas perspectivas, a partir de como um comércio devem ser identificados para que a unidade de informações básicas que devem ser identificados.

Daily Processing

Como mostrado na figura acima, regular processamento ocorre em várias unidades de negócios.

  • Mesas de Operações monitorar comércios de cobertura e de reequilíbrio, monitoramento de ganhos e perdas (P / L), e permanecer dentro dos limites de risco. Os comerciantes seniores obter informações de os juniores destilada através deste regular processamento e tomar medidas apropriadas.
  • Middle Office desempenha um papel crucial no processo regular. Eles monitoram-alvo e de barreira violações, fixações de taxa e exercícios de opção, geração de fluxo de caixa, e desova outros comércios de caixa. Geram (com a ajuda da plataforma de negociação) contabilístico adequado gatilhos para Back Office para agir em, a fim de executar assentamentos, confirmação comércio, documentação de arquivo etc.
  • Controle do Produto é outra unidade de negócios incorporado dentro do escritório meio que monitorar ativamente o P / L em uma base diária, com vista a explicar os seus movimentos com base nas sensibilidades e os movimentos do mercado, fornecendo uma ação independente da rentabilidade da actividade de comercialização. Seus cálculos de reservas alimentar nos departamentos de finanças e de recursos humanos e afetam incentivos comerciante e compensação.
  • Mercado de Gestão de Risco também tem hordas de pessoal contratado para realizar o monitoramento diário de limites de negociação (tais como nocionais, delta-equivalentes etc.) bem como VaR computação, Os testes de estresse de VaR. Na maioria dos bancos, Eles também lidar com o cumprimento da notificação às autoridades reguladoras e fornecer inteligência de forma concisa e acionável para a gestão superior que decidem as estratégias de negociação.

Como veremos em breve, o foco diferente e específica de cada unidade de negócio exige uma projeção única (que chamaremos de uma perspectiva) das informações negociação da plataforma de negociação. Esta exigência é uma das coisas que fazem a sua concepção e implementação tão desafiador.

Trade Inception

The inception events of a trade can be classified into two categories. The pre-trade activities are those that have to take place even before the first trade is booked. The per-trade inception activities are the ones specific to each trade.

Pre-trade activities

The pre-trade activities are related to new product on-boarding and approval. As we saw, in-house trading platforms are designed to be nimble and responsive. In principle, it should take little time for a new product to be on-boarded. The last system I worked on, por exemplo, was designed to deploy a new product idea in a matter of minutes. But the architects of such systems tend to forget the human, process-related and control elements involved in it. As the slide above illustrates, a new product idea or a new pricing model originates from the work of a model quant or a structurer in Front Office. But before it gets anywhere near a production system, the pricing model needs to be validated, typically by the analytics team in the Middle Office risk management group. Once validated, the product goes through a tortuous approval process that may take weeks or months, and then a formal deployment process, which may again take weeks or months. When that process is completed, the product is available for trading in the trading platform.

Once available, the product can be instantiated as a trade. Each trade instance goes through its own validation and approval process. The trade request may originate from the sales or structuring team in Front Office. They will also prepare the term sheet and other legal documents. Once these tasks are completed, a trade is booked into the trading platform.

Per-trade process

These inception events are depicted in the second slide above. One of the crucial steps in the approval process is the credit control. As we described earlier, o credit risk management team uses a variety of tools to assess the risks involved. With their approval, and with the traders understanding of the market price of the product, a product available in the trading platform becomes a trade in the database. And the lifecycling fun begins.

Vida de um Trade

With the last post, we have reached the end of the second section on the static structure of the bank involved in trading activities. But a trade by itself is a dynamic entity. In this third section, we will look at the evolution of a trade, and see how it flows back and forth between the various business units we described in the last section. We will make the this section and the next into a new series of posts because the first series (em Como funciona um Banco?) has become a bit too long.

Back Office and Finance

As with most dynamic entities, trades also have the three lifecycle stages of inception, existence and termination. What we need to understand clearly is what the processes are around these general stages. What are the business units involved at each of these stages? What do they do? And how do they do it?

Trade lifecycle

We will see that from our perspective, the lifecycle interactions are all mediated by the trading platform. It is not so much because everything is contained within the trading platform, but because we are interested only in that limited set of processes that are. In some sense, the last section was about the physical, spatial description of the bank, and this section is going to be on the temporal evolution and dynamics of how things work on that structure.

Resumo – Estrutura de um Banco

Completamos agora a nossa discussão sobre a estrutura geral de um braço de comércio banco de investimento típico. Nós fomos através das divisões Front-Middle-Back Office e as unidades funcionais e de negócios contidos. Note que olhava apenas para as unidades que têm uma influência sobre o comércio e desenvolvimento quantitativos. Note também que esta estrutura é fluido e pode ser implementado com nomes diferentes e hierarquias em diferentes bancos de acordo com suas estratégias empresariais e foco. Nós apresentamos a plataforma de negociação como o ativador ou pano de fundo da maior parte destas actividades do tesouro mundial (onde as atividades comerciais exóticas ter lugar) e as unidades de negócio associados (que lidar com vários aspectos do fluxo de trabalho do comércio) principalmente porque nós estamos olhando para a coisa toda do ponto de vista quantitativo desenvolvimento.

Back Office and Finance

A partir desta perspectiva, você vê a plataforma de negociação como a ferramenta mais importante (ou coleção de ferramentas) no banco. Ele media quase todas as interações entre as diversas unidades de negócio. Além disso, como veremos em posts futuros, a plataforma de negociação define o fluxo de trabalho de comércio e gestão do ciclo de vida. Portanto, também será importante para os desenvolvedores quantitativos para entender como essas unidades de negócios visualizar negócios e o processo de reserva de comércio e gestão. Suas perspectivas comerciais terão de influenciar a concepção da plataforma de negociação.

Back Office, Finanças et al

Do ponto de vista do desenvolvimento quant e quantitativa, Back Office é uma entidade distante. O seu papel é vital no ciclo de vida do comércio, como veremos mais tarde, mas eles estão fora da esfera de influência dos quants e desenvolvedores.

Back Office and Finance

Preocupa-se back office, principalmente com acordos comerciais e contabilidade. No vencimento, cada comércio gera um disparo liquidação geralmente com a ajuda de uma plataforma de negociação ou liquidação vended, que vai ser pego e posta em prática pelos profissionais de Back Office. Eles também cuidam de dinheiro e garantia de gestão.

Funções financeiras estão intimamente relacionados com operações do escritório traseiro. Entre uma série de operações contabilísticas relacionadas, eles têm uma tarefa extremamente importante, que é a produção de relatórios anuais. Esses relatos são examinados publicamente e determinam tudo, desde o preço das ações para bônus por desempenho, níveis salariais etc. Os profissionais de finanças pode exigir quant e ajuda analítica para determinadas tarefas. Em um dos meus papéis anteriores, Fui convidado para estimar o valor justo de mercado das opções de ações de funcionários (ESOP) com a finalidade de contabilidade para eles nos relatórios anuais.

O processo de precificação ESOP é semelhante ao (embora um pouco mais complicado do que) opção de preço de chamada normal. Entre outras coisas, você precisa da volatilidade da ação subjacente, a fim de calcular o preço. Eu usei o padrão móvel ponderada exponencialmente método da média para estimar-lo dos preços das ações, publicados nos dois anos anteriores ou então para calculá-lo porque era tudo que os dados que eu tinha acesso a. Antes que o tempo, Houve algum nome da ação corporativa e de cotações da bolsa havia mudado (ou não existia, Eu não me lembro qual). Em todo o caso, Eu sabia que o impacto da adição de mais dados antes dessa data seria insignificante por causa dos pesos exponencialmente decrescentes; seria muito menor que o erro completam ao citar o preço para quatro casas decimais, por exemplo. Mas o contador que foi convidado a olhar para o cálculo estava chateado. Ela veio até mim com seu livro de regras e me encaminhou para a página 57, parágrafo 2, onde foi especificado que eu deveria usar 10 anos para o cálculo EWMA. Tentei, em somente, para explicar a ela que eu não podia. Ela não parava de dizer, “Sim, mas página 57, 2 ....” Eu fui para explicar por que ele realmente não faz diferença. Ela disse, “Sim, mas página 57, 2 ....”

Contadores e profissionais de finanças pode ser assim. Eles podem ser um pouco “técnico” sobre essas coisas. Em retrospectiva, Acho que eu estava sendo ingênuo. Eu poderia ter usado apenas uma série de zeros para back-preencher os desaparecidos oito anos de dados (afinal, se o preço ticker não foi citado, ele é zero), e refeito a minha avaliação ESOP, que teria dado um preço ESOP idêntico ao que eu calculado anteriormente, mas desta vez satisfazendo tanto Finanças e os quants.

IT and other support

A equipe de desenvolvedores que trabalham em estreita colaboração com quantitativos é de Tecnologia da Informação. Eles são acusados ​​de a infra-estrutura de TI, segurança, networking, procurement, licenciamento e tudo mais relacionado à computação. De fato, desenvolvimento quantitativo é, como eu retratei-lo mais cedo, uma camada intermediária entre a TI e trabalho em matemática pura. Por isso, é possível para os desenvolvedores quantitativos para encontrar-se sob a hierarquia de TI, apesar de não trabalhar a seu favor. Tecnologia da Informação é um centro de custos, assim como todas as outras funções middle e back office, enquanto as unidades de Front Office ligadas à negociação são centros de lucro. Geradores de lucro recompensado muito melhor do que os outros, e é melhor para ser associado a eles do que TI.

De câmbio e de Valorização

Marcação comércios para o mercado exige dados de mercado up-to-date. Existem dois tipos de dados de mercado necessários para a fixação de preços — um é as taxas spot ao vivo, volatilidades, as taxas de juro, etc.. Este tipo de dados são chamados coletivamente de taxas. O segundo tipo é o tipo que vai para a definição dos produtos que estão sendo comercializados, ou as características das taxas. Estes incluem definições de pilares de taxa de juro, datas de cupão de títulos e taxas etc.. Este segundo tipo é considerado de dados estáticos.

Valuation and Product Control

A equipa de gestão taxas está a cargo do primeiro tipo de dados. Eles garantem que os fornecedores de dados ao vivo são consistentes uns com os outros e que os dados em si são precisas. Eles fazem isso através da aplicação de vários testes automatizados e limites para as taxas de entrada para sinalizar qualquer movimento suspeito ou inconsistência. Uma vez aprovado pela equipe, os dados são consumidos pela plataforma de negociação. A gestão de taxas é um papel crítico, e os dados de mercado é muitas vezes armazenados e servidos em bases de dados e serviços dedicados. Por causa dos aspectos técnicos envolvidos, esta equipa trabalha em estreita colaboração com os profissionais de tecnologia da informação.

Os dados estática é normalmente administrado por uma equipe separada independente da administração taxas. Eles vão por vários nomes, Controle Tesouro sendo um deles. Eles montaram produtos comercializados e taxas pilares e assim por diante. Em alguns bancos, eles também podem ser responsáveis ​​pela validação de dados de entrada do comércio.

Duas outras funções importantes do Oriente Escritório são de avaliação e produtos controles. Estas funções estão muito longe do desenvolvimento quantitativo e plataforma de negociação. Essas equipes assegurar que as valorizações registadas e / movimentos p l são consistentes com os movimentos do mercado. Controle de valorização leva um olhar mais atento sobre preços e P / L principalmente a nível do comércio, enquanto Controle do Produto preocupa com / L explicação P tipicamente ao nível da carteira. Uma vez que temos os gregos (taxas de variação dos preços dos produtos em relação às quantidades de mercado e tempo), podemos calcular e prever a mudança nos preços (ou movimentos P / L) usando expansão da série de Taylor. Se os preços calculados de forma independente (usando taxas de mercado reais) estão em desacordo com os preditos, ele aponta para uma incoerência interna e deve desencadear uma investigação detalhada.

Controle de produto também pode ajudar Finanças e de Recursos Humanos com o processo de reservas de avaliação, que estima o nível de exagero nas expectativas de lucro dos comerciantes efervescente. desde os comerciantes’ compensação está ligada ao lucro que geram, este processo de atribuição de reservas contra o lucro é essencial para garantir recompensas de desempenho equitativas.

Gestão de Risco de Mercado e Analytics

If you play in the market, you run the risk that it may move against you. This risk is, claro, market risk and we have a Middle Office team to manage it. Gestão de Risco de Mercado (MRM) ensures that the risk limits on the volumes and types of products traded are set in accordance with the risk appetite prescribed by the senior management. It also ensures, through regular processing and monitoring, that these limits are adhered to.

MRM

What is monitored are risk measures such as the Greeks and Value at Risk (VaR). The Greeks are the first and second order derivatives of the price of a security with respect to various market variables such as the price of the underlying, interest rates, volatility as well as trade specific entities like the time to maturity. The VaR is a statistical end point measure estimating the amount of loss at a given confidence level in the case of an adverse market movements, and is typically computed using the historical market movements over the past year or so. These risk measures are aggregated, sliced and diced in various ways to make it easy to monitor them, and reported to senior management, risk control committees, trading desks etc. The MRM team is also responsible for reporting to regulatory agencies, both in the form of regular compliance reports as well as ad hoc reports in response to drastic market moves.

Quants can find opportunities in the Analytics team embedded within MRM. This team is in charge of pricing model validation, which is the process of ensuring that the mathematical models deployed in trading systems and other valuations engines are both appropriate and correctly implemented. There is a significant overlap between the work that MRM analytics quants do and their Front Office counter parts (whom we called pricing or model quants). The Analytics team also takes care of any other quantitative tools needed in MRM or risk management in general. Such tools could include potential future exposures (PFE) for credit risk management, liquidity modelling for Assets and Liability (AML) etc.

Gestão de Risco de Crédito

A gestão de riscos é uma função crítica de Middle Office. Risco de crédito é o risco de que alguém que lhe deve dinheiro pode não ser capaz ou disposto a honrar sua obrigação. Em outras palavras, eles podem optar em sua obrigação de crédito. Este risco é gerido em um banco usando uma variedade de ferramentas estatísticas.

Middle Office

Quando um banco emite um cartão de crédito, ele assume o risco de crédito que você não pode pagar. Você paga um insanamente alta taxa de juros sobre o saldo pendente justamente por isso o risco de crédito. O risco não é garantido. A hipoteca ou um empréstimo automático, por outro lado, é garantido pelo patrimônio de sua propriedade, e você paga um interesse significativamente mais baixos por causa da garantia.

A equipe de Middle Office de Gestão de Risco de Crédito (CRM) opera usando os mesmos dois paradigmas. Da mesma maneira como você tem um limite de crédito no cartão de crédito ou linha de crédito, cada contraparte que o banco negocia com tem um certo limite de crédito com base na sua classificação de crédito, conforme publicado pelas agências de classificação de crédito como Moody ou Standard & Pobre. O problema com este modo de gestão do risco de crédito é que o banco não tem como saber o quanto de crédito está colocado junto classificação de uma contraparte em outros bancos. Também não tem um meio de descobrir quantos cartões de crédito que você tem. Em Cingapura, a autoridade reguladora, MAS, tenta minimizar o risco de as pessoas entrarem em falência se exigindo que o seu limite de crédito será o dobro do seu salário mensal. Bt podem obter o maior número de cartões de crédito como eles querem de diferentes bancos contra o mesmo limite, efetivamente anulando a boa intenção por trás da exigência.

Esta sobrecarga contra rating de crédito é evitada quando o risco é gerenciado com garantias. Assim como você não pode tomar dois empréstimos hipotecários na mesma propriedade (não sem capital adequado, qualquer maneira), contrapartes em negociação também não pode usar a mesma garantia para vários comércios. Os bancos e as contrapartes normalmente usam títulos como garantias e fisicamente trocá-los durante transações seguras.

Antes de o comerciante Front Office pode entrar em um acordo comercial com uma contraparte, eles terão de obter a aprovação dos controladores de crédito que irá avaliar as exposições e verificá-los contra os limites pré-definidos. A avaliação da exposição usa técnicas como a potencial exposição futura (PFE) com base em um grande número de simulações de mercados potenciais futuros.

Além do risco de incumprimento das contrapartes durante o tempo de vida de um comércio, Profissionais de CRM se preocupar com o potencial de inadimplência durante o atraso na liquidação — após o vencimento de um comércio (onde o banco está no dinheiro) e sua liquidação. Este risco é apropriadamente chamado de risco de liquidação.

Middle Office

A estrutura de Middle Office em um banco típico é descrito em baixo a corrediça. As unidades funcionais dentro de Middle Office trabalhar lado a lado com os de Front Office para lidar com as aprovações de início e regular processamento de transações.

Middle Office

Middle Office é diferente de Front Office, pois tem pouca interação com o mundo externo. Sua principal (e talvez a única) clientes são os comerciantes e equipas de atendimento. Como de costume, a maioria das interações entre as equipes dentro Middle Office e Front Office ocorrer através da plataforma de negociação, que funciona como a interface de fronteira entre os dois Escritórios, como mostrado na corrediça.

Em posts posteriores, vamos percorrer as funções de cada uma das unidades de negócios descrita como uma caixa na foto. Por enquanto, como um resumo geral, podemos ver que o funcionamento do instituto Médio são de dois tipos: aquelas relacionadas a aprovações comerciais com base nos riscos e limites previstos, e as relativas à monitorização comercial regular. Mas essas funções são vastas em seu escopo, e necessitam de grandes sistemas, fluxos de dados e um exército de profissionais para executá-las. Eles são organizados de acordo com as unidades de negócios com nomes como Controle do Produto, Controle de Comércio (ou do Tesouro ou de Controle para Empresas) Unidade, Mercado, Crédito e Gestão de Risco Operacional), Acompanhamento dos limites, Gestão de moeda, Compliance e Reporting Regulatório, Analytics, Ativos e Passivos de Gestão etc. Mais uma vez, lembre-se que esta descrição de Middle Office é a partir da perspectiva do desenvolvimento quantitativo correspondente a negociação estruturada produtos.

Desenvolvedores Quantitativos

If Quantitative Developers look like the heart of everything that goes on in the Front Office (according to the following slide, que é), there is a good reason for it. This series is written from the perspective of Quantitative Development. Afinal, the series, the talk, and the book are all titled “Principles of Quantitative Development.” From that vantage point, Certifique-se, we are at the center of the universe.

Quantitative Developers

Para ser justo, in structured products trading, quantitative development and quantitative mathematics play a crucial role. As we will see in later posts, almost all the aspects of trade lifecycle management are mediated by the end product of these quantitative professionals, which is the trading platform. Crucially, the trading platform defines the interface between Front Office and Middle Office. Within Front Office, quantitative developers act as the conduit of integrating the pricing models developed by quants into the platform, thereby making them accessible for profit making by trading desks. Because of this buffering role that the quantitative developers play, they have to field almost all of the support requests from trading desks and sales personnel in Front Office, as well as from anyone who uses the trading platform.

In the corporate organization, quantitative developers may find themselves under the information technology department, supporting the trading platform from afar. From a career perspective, this organization is less than ideal for them because IT is a cost center, not a profit generator and the compensation and remuneration schemes reflect that fact. Além, IT tends to be considered as being outside the core business of the bank. Far better for them would be to find themselves embedded within the Front Office setting, where the quantitative developers can offer direct support to the stakeholders from within and enjoy the prominence and prestige that comes with the critical role of managing the vital in-house trading platform.